Não lavar as mãos, lavar a carne crua e não lavar frutas e legumes são alguns dos piores hábitos que as pessoas cometem na cozinha. Isto de acordo com Robert Gravani, professor de Ciência Alimentar na Cornell University, em Nova Iorque (Estados Unidos), que falou sobre o tema no programa "Today".

Quais são os principais erros que pais e avós cometem na alimentação das crianças? Uma nutricionista explica
Quais são os principais erros que pais e avós cometem na alimentação das crianças? Uma nutricionista explica
Ver artigo

Saiba quais são os nove piores hábitos na cozinha destacados pelo cientista de segurança alimentar.

1. Não lavar as mãos antes de comer ou cozinhar

Muitas pessoas esquecem-se de lavar as mãos antes de comer ou cozinhar e Robert Gravani destaca essa prática como a regra número um. Contudo, as pessoas ficaram mais conscientes da importância de lavar as mãos com a pandemia da COVID-19, que alertou a população em relação à propagação de bactérias.

Lavar as mãos é particularmente importante quando se mexe em carnes cruas. Para garantir a máxima limpeza, Robert recomenda lavar bem as mãos com água e sabão durante, pelo menos, 20 segundos.

2. Lavar a carne de aves cruas antes de as cozinhar

Gravani afirma que muitas pessoas pensam que devem lavar a carne crua antes de a cozinhar. No entanto, as bactérias presentes nas aves cruas como salmonela e clostridium morrem quando a carne é cozida adequadamente. Ainda, ao lavar a carne, pode até aumentar o risco de contaminação, dado que pode estar a espalhar essas bactérias pela sua cozinha.

3. Não lavar frutas e legumes

É obrigatório lavar as frutas e os vegetais frescos com água corrente limpa, aconselha Gravani, de modo a eliminar qualquer sujidade que esteja no alimento, mas sem nunca usar sabão ou detergente. Depois, deve secar o alimento com um papel e deitá-lo no lixo.

Lavar frutas e legumes
créditos: Unsplash

4. Usar os mesmos utensílios do início ao fim quando se cozinha carne crua ou frutos do mar

O especialista revela que as pessoas costumam utilizar os mesmos utensílios do início ao fim quando preparam pratos como a bolonhesa, em que desfazem a carne moída crua com uma colher e usam a mesma para mexer enquanto esta coze, e depois para servir o molho.

Como as bactérias da carne crua e dos frutos do mar provocam doenças que podem permear os ingredientes depois de cozidos, devem usar-se utensílios novos durante o cozinhado ou lavá-los muito bem a cada etapa.

5. Mexer nas especiarias enquanto manipula carne crua com as mãos

Os recipientes das especiarias podem ser contaminados pela carne crua e, se os guardar sem lavar, os outros produtos também podem ser infetados. Para evitar que isto aconteça, o professorf sugere que se coloque os temperos num prato pequeno antes de começar a cozinhar.

6. Não usar um termómetro de carne

Um grande erro que se comete a cozinhar, segundo Gravani, é tentar adivinhar quando a carne crua ou os frutos do mar estão cozidos apenas olhando para eles. Um termómetro com boa qualidade irá ajudar a eliminar todos os organismos indesejados.

Segundo o Departamento de Agricultura dos Estados Unidos, os seguintes alimentos devem ser cozidos de acordo com estas temperaturas mínimas: carne bovina, peixes ou marisco a 62,8°C, aves a 73,9°C e ovos a 71,7°C.

7. Esperar mais de duas horas para guardar alimentos já cozidos no frigorífico

Quando sobra comida do jantar, por exemplo, Gravani recomenda colocá-las no frigorífico o mais rápido possível e, no máximo, duas horas depois de os ter cozinhado. No entanto, se a temperatura ambiente for superior a 32,2°C, os alimentos já cozinhados devem ser colocados no frigorífico dentro de uma hora, dado que as bactérias crescem mais rapidamente.

Quanto ao armazenamento de alimentos no frigorífico, o professor recomenda dividi-los em pequenos recipientes para que estes arrefeçam mais rápido. Também se deve configurar o frigorífico para 4,4°C ou menos e reaquecer os alimentos a 73,9°C, conforme as diretrizes do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos.

Sobras de alimentos cozidos devem ir para o frigorífico até duas horas depois
créditos: Unsplash

8. Comer as sobras que estão no frigorífico há mais de quatro dias

As bactérias e as toxinas espalham-se muito rapidamente e não é possível saber se a comida está boa apenas com o olhar ou com o cheiro. Como tal, Gravani aconselha a deitar as sobras ao lixo depois de quatro dias no frigorífico e a escrever as datas nos recipientes ou usar rótulos para saber quanto tempo os alimentos têm.

9. Comer alimentos crus ou mal cozidos é arriscado se for doente de alto risco

Se for doente de alto risco ou propenso a adoecer, deve evitar comer alimentos crus ou mal cozidos como o bife de tártaro, ostras ou até ovos moles.

Gravani destaca que as pessoas mais vulneráveis a doenças transmitidas por alimentos são os adultos com mais de 65 anos, crianças com menos de 5 anos, mulheres grávidas e pessoas com um sistema imunológico comprometido ou com problemas de saúde subjacentes.

As coisas MAGGníficas da vida!

Siga a MAGG nas redes sociais.

Não é o MAGG, é a MAGG.

Siga a MAGG nas redes sociais.

Fale connosco

Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado.