Michael Tatschl, amigo e ex-companheiro de cela de Christian Brückner, não tem dúvidas do seu envolvimento no desaparecimento de Madeleine McCann. O homem de 47 anos a viver na Áustria, falou com o jornal inglês “The Sun” e explicou que o amigo lhe falou em vender crianças em Marrocos.

“Sei que foi ele. Eu estava a viver com ele naquela época e tive a certeza que era ele no minuto que a polícia veio falar comigo em abril do ano passado”, garantiu. “Ele falou em vender crianças, talvez em Marrocos. Acho que provavelmente deve ter vendido Madeleine a alguém, talvez num cariz sexual. Eu realmente não pensei nisso na altura, mas talvez devesse”.

Tatschl foi inclusivamente interrogado pela polícia alemã o ano passado e disse à mesma publicação ter ficado surpreendido por a polícia portuguesa não ter revistado a casa que partilhavam na altura na Praia da Luz. Isto porque sabia que o amigo tinha um esconderijo no telhado de casa, onde provavelmente guardava as coisas que roubava a turistas naquela zona. “Quando fomos presos, ele ordenou que um amigo alemão se livrasse de qualquer evidência”, recordou.

Suspeito de raptar Maddie terá dito ao advogado que não tem nada que ver com o caso
Suspeito de raptar Maddie terá dito ao advogado que não tem nada que ver com o caso
Ver artigo

A juntar a todas estes factos, Tatschl acrescentou ainda que Christian Brückner era “definitivamente pervertido e mais do que capaz de raptar uma criança por brincadeiras sexuais ou dinheiro”. A crença tornou-se maior depois de ter assistido ao documentário sobre o desaparecimento na Netflix. “Quando vi o documentário, alguns dias antes de a polícia me interrogar, soube imediatamente que ele era culpado”, reiterou. “Quando uma turista feminina falou sobre um homem aparecer à sua porta enquanto o filho brincava no chão à frente da porta – sendo que a descrição era de um homem assustador com acne e cabelos loiros – eu soube que era o Christian”.

Michael Tatschl, agora pai de uma criança, explicou que a última vez que esteve em Portugal foi em fevereiro de 2007, poucos meses antes do desaparecimento de Madeleine. “Voltei à Praia da Luz em fevereiro de 2007 e encontrei o Christian acampado perto da cidade. Ele estava a adorar e acho que vendia drogas. Fiquei um pouco com ele e depois voltei a Espanha”.

Poucas semanas depois do desaparecimento da criança de três anos, Christian Brückner seguiu o amigo até Andaluzia. “No final de maio ou início de junho, ele chegou a Espanha com a sua carrinha americana. Ele sabia que eu tinha conexões com o mundo da droga e que poderia ajudá-lo a ganhar dinheiro”, explicou. “Achámos que ele era pervertido, mas não pensámos que ele pudesse gostar de crianças pequenas”.

Newsletter

A MAGG é uma revista digital pensada para mulheres e focada nas preocupações centrais da vida de cada uma. Falamos de tudo o que está a acontecer de forma descontraída mas rigorosa.
Subscrever

Notificações

A MAGG é uma revista digital pensada para mulheres e focada nas preocupações centrais da vida de cada uma. Falamos de tudo o que está a acontecer de forma descontraída mas rigorosa.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.

Fale connosco

Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado.