Quantas crianças não acreditaram no Pai Natal em algum momento das suas vidas? Dificilmente consegue nomear uma. A maioria dos pais conta a lenga lenga do velhote de barbas brancas, que se veste de vermelho e julga os comportamentos dos miúdos ao longo de todo o ano. E claro, se se portarem bem ganham um presente no sapatinho na noite de Natal.

Toda a gente conhece esta história. Mas porque é que as crianças acreditam nesta narrativa que veio substituir o menino Jesus, a personalidade que, em tempos passados, tinha o poder de deixar uma prenda debaixo do pinheiro?

Os pais não devem deixar os miúdos acreditar no Pai Natal?
Os pais não devem deixar os miúdos acreditar no Pai Natal?
Ver artigo

De acordo com Rohan Kapitany Lecturer, psicólogo na Universidade de Keele, e segundo escreve o site "The Conversation", é provável que pense que isto acontece porque os miúdos são suscetíveis a todas as histórias que envolvem magia. Não é bem assim — fazê-los acreditar em tantos comportamentos céticos pode ser algo difícil. Num estudo designado “Princesa Alice” , os investigadores realizaram uma experiência com várias crianças. Começaram por contar-lhes uma história sobre uma princesa invisível — que estava presente na mesma sala e sentada numa cadeira próxima delas. As crianças foram deixadas sozinhas no espaço e os comportamentos foram avaliados: algumas acenaram com as mãos, enquanto outras mantiveram-se indiferentes.

Outra investigação, intitulada “Candy Witch”, tentou evidenciar a sensibilidade das crianças ao esforço realizado por parte de um adulto. Este estudo contava com dois adultos que visitaram um escola individualmente — e em alturas diferentes — e deram a conhecer a várias crianças a história de uma Bruxa dos Doces que trocava doces de Halloween por um brinquedo. Neste caso, as crianças estavam a ser impulsionadas a não comer o doce — o que pode ser uma tarefa difícil para elas —, em troca de um brinquedo. Muitas crianças acreditaram na Bruxa dos Doces e algumas continuaram a acreditar um ano depois.

As histórias mais emocionantes com crianças contadas por Severino, o homem que é Pai Natal no Colombo há 18 anos
As histórias mais emocionantes com crianças contadas por Severino, o homem que é Pai Natal no Colombo há 18 anos
Ver artigo

O que é que podemos concluir destes dois estudos? A única maneira de uma pessoa aprender algo que nunca viu ou experimentou é através da confiança — e é por este motivo é que várias crianças acreditam no Pai Natal. A teoria de Joe Henrich sugere que para os miúdos evitam a exploração através da confiança que depositam nas ações dos modelos que normalmente seguem, nomeadamente os pais. Assim pode explicar-se o facto de as crianças acreditarem no Pai Natal — apesar de nunca o terem visto, acham que os pais não iriam inventar aquela história.

Segundo afirma o site "The Conversation", os contos que se contam às crianças, desde o Pai Natal até à Fada dos Dentes, podem ser muito importantes para entenderem a realidade no futuro. E no caso do Pai Natal, normalmente os pais envolvem as crianças em muitos pormenores da história que os leva a acreditar que é de facto verdadeira. Rohan Kapitany Lecturer afirma: "As crianças são sensíveis às nossas ações — cantam canções, erguem árvores mortas dentro de nossas casas, deixam de fora leite e biscoitos — e as crianças, sensatamente, prestam atenção a isso. E o resultado é a crença: a mãe e pai não fariam isso se não acreditassem, portanto o Pai Natal deve ser real".

Newsletter

A MAGG é uma magazine para mulheres MAGGníficas. A MAGG faz um apanhado das mais estranhas que encontrámos nos sites das lojas.
Subscrever

Notificações

A MAGG é uma magazine para mulheres MAGGníficas. A MAGG faz um apanhado das mais estranhas que encontrámos nos sites das lojas.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.

Fale connosco

Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado.