Virgílio Faleiro, de 33 anos, pisou o palco do "All Together Now", que estreou na antena da TVI este domingo, 7 de março, mas não conseguiu convencer todos os 100 jurados para conquistar um lugar no pódio. Em entrevista, o residente de Belmonte referiu que pode não ter continuado no programa, mas que levou animação ao palco.

A "flor" que Cristina escolheu para o regresso ao prime time. Saiba tudo sobre o vestido
A "flor" que Cristina escolheu para o regresso ao prime time. Saiba tudo sobre o vestido
Ver artigo

O cantor de música popular portuguesa começou por dizer que está habituado a percorrer as festas do País, mas atuar no programa apresentado por Cristina Ferreira teve outro peso. "Um dos principais motivos que me fez ir ao programa foi demonstrar que nas alturas más, temos outras oportunidades e podemos virar-nos para outro tipo de palco", explicou, referindo-se às consequências que a pandemia da COVID-19 trouxe a todos os artistas.

"Já estive em mais programas, mas não direi que estou plenamente à vontade na frente das câmaras. É um pouco estranho até porque estou habituado a tocar e a cantar ao vivo", acrescentou o artista, que está habituado a fazer tudo num espetáculo, desde montar o equipamento de som até à atuação.

Quanto ao ambiente que se sente no "All Together Now", Virgílio sentiu a falta do público. Apesar de ter cantado para 100 jurados, o apoio do público é essencial para sentir que fez uma boa atuação. "Se tivéssemos público, este programa teria o dobro de emoções e íamos ter ali os nossos apoiantes".

Ainda assim, contou que não sentiu qualquer estigma por ser cantor de música popular portuguesa. Até porque Rosinha, uma das juradas do programa, subiu ao palco para se juntar a Virgílio e cantar a seu lado. "O apoio da Rosinha foi algo que gostei muito, ela fez-me sentir mais em casa", disse. "Para chegar àquele palco, muitos candidatos receberam um não. Eu já venci ao ter chegado lá", acrescentou

Virgílio concilia a música com a gestão de uma loja de eletrodomésticos

O belmontense herdou a loja de eletrodomésticos dos pais e revelou que o negócio que dura há 40 anos corre bem. "Os eletrodomésticos têm sido considerados um bem essencial. Felizmente, temos a loja aberta e podemos dizer que as pessoas se estão a virar um pouco mais para o comércio tradicional", afirmou.

Virgílio justificou que este fenómeno se deve à pandemia, pelo que os clientes preferem comprar no comércio tradicional em vez de se deslocarem a grandes superfícies. Mas não é só por isso: "As pessoas começaram a ver que não vendemos eletrodomésticos mais caros do que os dos grandes centros comerciais".

Sobre a vila onde vive, o cantor de música popular emocionou-se ao falar sobre aquele local que diz trazer sempre no coração. "Gosto muito das minhas raízes. A minha primeira música chama-se 'Belmonte de Encantos', porque é onde vou buscar a minha força e forma de estar na vida", rematou.

Virgílio é pai de Salvador, de 5 anos, e de Tomás, de 2, fruto do casamento com Andreia Faleiro.

Subscreva a newsletter da MAGG.
Subscrever

As coisas MAGGníficas da vida!

Siga a MAGG nas redes sociais.

Não é o MAGG, é a MAGG.

Siga a MAGG nas redes sociais.

Fale connosco

Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado.