As "medidas excecionais e temporárias de resposta ao aumento dos preços dos combustíveis" foram publicadas esta quinta-feira à noite, 28 de abril, em Diário da República, e entram em vigor já esta sexta-feira, 29. Em que é que se traduzem? Numa redução do valor do gasóleo e gasolina em resultado da diminuição do imposto sobre produtos petrolíferos (ISP). Na prática, isto significa uma redução de 62% sobre o aumento do preço da gasolina e 42% do gasóleo, avança o "Diário de Notícias".

O decreto-lei promulgado pelo presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, cumpre com a promessa do Governo de baixar o ISP para o equivalente a uma redução do IVA dos combustíveis a 13%, o que permitirá baixar a carga fiscal em 20 cêntimos por litro. Assim, a carga fiscal sobre os combustíveis vai baixar em 20 cêntimos por litro e os portugueses vão passar a pagar menos. 

Qual é, afinal, a poupança real? Por exemplo, ao atestar um depósito de 50 litros, pagará cerca de menos 10€ do que antes da nova medida, segundo a CNN Portugal. Com a entrada do documento, o gasóleo simples deverá rondar os 1,77 euros por litro e a gasolina 95 os 1,813 euros por litro.

Pela primeira vez, Governo tem mais ministras do que ministros. Conheça as mulheres do novo executivo
Pela primeira vez, Governo tem mais ministras do que ministros. Conheça as mulheres do novo executivo
Ver artigo

Outra descida deverá acontecer na eletricidade, dado que há uma "grande probabilidade" de o preço sofrer uma redução no mercado regulado em julho.

Quer o alívio de preço nos combustíveis, quer na eletricidade, foram medidas anunciadas pelo primeiro-ministro, António Costa, esta quinta-feira, 28, na sessão parlamentar sobre a proposta de Orçamento do Estado para 2022 (OE2022) com vista a "ajudar a conter os preços da energia e a mitigar o choque inflacionista, apoiar as famílias e as empresas e acelerar a transição energética".

O debate sobre a proposta de orçamento termina esta sexta-feira, 29, com votação do OE2022 na generalidade. No entanto, sabe-se já que o PSD, Chega, IL, PCP e BE vão votar contra o OE2022, embora o orçamento tenha aprovação direta devido ao facto de o governo ter maioria absoluta no parlamento.

Subscreva a newsletter da MAGG.
Subscrever

As coisas MAGGníficas da vida!

Siga a MAGG nas redes sociais.

Não é o MAGG, é a MAGG.

Siga a MAGG nas redes sociais.

Fale connosco

Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado.