Com uma fotografia inesperada e um texto bastante diferente do que é habitual, a humorista e youtuver Mariana Cabral, mais conhecida como Bumba na Fofinha, fez uma publicação no Instagram a falar sobre um "desamparo" que tem dado conta de si perante o estado atual da pandemia que a tem feito "projetar detalhadamente os piores cenários possíveis de tudo", desde os pais a adoecerem até ao "que diria na missa de 7º dia imaginária".

A publicação começa com um relato do que têm sido os últimos dias. "Tenho dias assim. Dias em que estar sozinha é solitário mas estar acompanhada é demais. Dias em que me apetece um cigarro às 9h da manhã, como uma velha dona de cabaré. Dias em que o meu cérebro, em vez de dormir, faz-me a simpatia de projetar detalhadamente os piores cenários possíveis de tudo, os meus pais a adoecerem, eu sem poder cuidar deles, como reagiria à notícia da sua partida (como se pudesse ensaiá-la), até ao pormenor do que diria na missa de 7º dia imaginária", diz a influenciadora.

Mariana Cabral lembra que todos reagem de formas diferentes ao que se está a passar — uns apontam dedos, outros deixam de acreditar na ciência, há quem descarregue a frustração no "rolo da cozinha", diz quase voltando ao seu registo natural de fazer humor, mas volta à seriedade. "Há quem chore desbragadamente durante uma manhã inteira, refém de loops de pensamento catastróficos e sombrios, como esta que vos escreve", continua.

"Este desamparo dura-me deste anteontem. Sou uma privilegiada porque tenho Planos Bs, Cs, Zs. Para mim só alguns dias são assim. Há quem viva neste aperto há 9 meses, sem soluções à vista. Portanto, não sei quem é que precisa de ler isto, e sei que soa a refrão requentado, mas ouvir não é o mesmo que assimilar", diz Bumba na Fofinha e começa a enumerar aspetos que considera que todos devem ter presentes neste momento.

Filho de Pedro Lima incentiva ao diálogo sobre saúde mental "sem estigmas, sem vergonhas e sem tabus"
Filho de Pedro Lima incentiva ao diálogo sobre saúde mental "sem estigmas, sem vergonhas e sem tabus"
Ver artigo

"1) É normal estarmos na merda. 2) Ninguém é fraco por se mostrar como está (isto é, na merda) e 3) Nunca caiam no erro de achar que estão sozinhos na merda, por muito que se rodeiem de pessoas que parecem estar a reagir 'melhor' que vocês", avança a comediante.

Bumba na Fofinha lembra que "é normal termos medo, por nós, pelos nossos e pelo desconhecido que aí vem" e, já no fim da publicação, apela aos seguidores que tentem controlar os contágios, recomendando, por isso, que voltem a apostar nos "zooms" e que "conversem, encharquem-se em vinho, chorem, façam pão, treinos HIIT (não compreendo mas respeito), aquilo de que precisarem para se manterem à tona", refere.

Os conselhos vão mais além e foca-se nos pedidos de ajuda sobre a saúde mental. "Um fardo partilhado pesa bem menos. Tenho-o feito e ajuda de forma inquantificável. A Linha de Apoio Psicológico do SNS existe no 808 24 24 24. Força nesses corações", termina.

A publicação conta já com mais de 20 mil gostos e vários comentários de apoio. Além de fãs, inúmeras celebridades deixam mensagens, como é o caso da chef Filipa Gomes, da cantora Carolina Deslandes e Sónia Tavares, da radialista Mariana Alvim e das atrizes Inês Castelo Branco, Inês Aires Pereira e Jessica Athayde.

Subscreva a newsletter da MAGG.
Subscrever

As coisas MAGGníficas da vida!

Siga a MAGG nas redes sociais.

Não é o MAGG, é a MAGG.

Siga a MAGG nas redes sociais.

Fale connosco

Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado.