Débora Neves foi a protagonista da Curva da Vida no gala de domingo, 3 de outubro. A concorrente de Cascais falou da relação difícil que tem com a família, mas garante que não guarda rancor.

"Big Brother". Conheça os seis nomeados em risco de expulsão
"Big Brother". Conheça os seis nomeados em risco de expulsão
Ver artigo

Os pais separaram-se poucos meses depois de Débora nascer.  Da infância, recorda momentos com a mãe nos sítios onde esta comprava e consumia substâncias para alimentar a toxicodependência. Como a progenitora, sozinha, não tinha condições para a criar, foi ficando com a "incansável" avó, que desempenhou o papel de mãe e pai e, atualmente, sofre de Alzheimer.

A concorrente de 37 anos falou sobre o primeiro contacto com o pai que, por sua opção, ocorreu no início de 2021. Considerando que "pai é quem cria", acredita que a instabilidade e dificuldades da vida impediram o progenitor de desempenhar a sua função. "É uma pessoa muito frágil, com poucas posses, também está um bocadinho sozinha na vida".

No confessionário, confessou aos apresentadores uma necessidade de "arrumar gavetas" e contou um grande receio: "Pensava que poderia estar num sítio e o meu pai estar no mesmo sítio e eu não o reconhecia".

Manuel Luís Goucha tocou num ponto sensível: no questionário preenchido antes de entrar no reality show, a concorrente revelou que seria capaz de substituir toda a sua família e manter apenas o irmão, Mateus. "Foi sempre tão duro que às vezes eu penso que merecia mais, merecia viver numa família mais estável, mais equilibrada".

Débora Neves define-se como "guerreira" porque, apesar de ter lutado sozinha, foi alcançando os seus objetivos. "Honestamente eu nem sei onde é que vou buscar as minhas forças. Elas existem e são muitas e eu nunca desisti. Nunca desisti de mim, nunca desisti dos meus sonhos, de ir à luta, de ter trabalho, de arranjar trabalho para conseguir as minhas coisas", contou.

Débora teve três relações, duas acabaram em traição

Aos 17 teve o primeiro amor, que terminou por uma "parvoíce" sua. Anos mais tarde, em 2010, vivia com outro namorado quando foi traída. "Senti-me um lixo. Foi começar tudo outra vez, começar tudo do zero", desabafou, na Curva na Vida.

Resolveu arregaçar as mangas e abriu um hotel em Miami, nos Estados Unidos da América. Regressou a Portugal em 2016, ano em que conheceu a pessoa que mais a marcou e com quem esteve perto de casar.

"Vivi para esta relação", disse Débora. Engravidou, mas foi traída pela segunda vez e escolheu abortar. "Caiu-me o mundo em cima". 

Apesar de, na altura, não se sentir feliz, ainda pensa no que seria a sua vida se tivesse avançado com a gravidez. No confessionário, durante a gala, explicou que a relação não estava bem, mas o aborto foi decisão sua e o ex-namorado quis assumir a paternidade. "Tenho a certeza que ele não me iria falhar como pai, mas não seria aquela família que eu sempre desejei".

Ressalvando que não pretendiam julgar a decisão, os apresentadores questionaram a concorrente sobre a possibilidade de ter sido mãe solteira e se receou repetir o padrão da sua vida. "Eu sei que é difícil e, ainda por cima, sem suporte familiar, mais difícil é", referiu.

Decidida a começar um novo capítulo, a entrada no "Big Brother" é "a prova de que temos sempre que lutar por aquilo que acreditamos, que nada é impossível, está tudo ao nosso alcance".

Para A Pipoca Mais Doce a história de Débora permitiu compreender a necessidade de Débora por atenção: "Tem muito a ver com a forma com ela cresceu e o amor que não teve por parte dos pais".

Depois de apresentar a Curva da Vida, a cascalense foi recebida pelos colegas com um aplauso e Ana Morina foi a primeira a abraçá-la, congratulando-a pela coragem.

Subscreva a newsletter da MAGG.
Subscrever

As coisas MAGGníficas da vida!

Siga a MAGG nas redes sociais.

Não é o MAGG, é a MAGG.

Siga a MAGG nas redes sociais.

Fale connosco

Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado.