Desapareceu quando era apenas uma cadela pequenina para, depois de 12 anos, voltar ao lar que a adotou originalmente. Esta é a história de Missie, a cadela que desapareceu em 2011 e que, esta terça-feira, 15 de novembro, foi encontrada por uma pessoa que a levou até à sua família, depois de verificar o chip, avança o "Daily Mail".

Liz Eldridge adotou a cadela para oferecer ao filho. No entanto, quando esta desapareceu, a dona tinha a forte convicção de que esta teria sido roubada. Depois, passou oito anos a conduzir pelo Reino Unido, motivada pela crença de que a ia encontrar, com base nos testemunhos de pessoas que diziam que viam a cadela. Até que acabou por desistir.

Influencer diz que quer casar com craque que marcou golos do Brasil e ele começa a segui-la. Veja a reação
Influencer diz que quer casar com craque que marcou golos do Brasil e ele começa a segui-la. Veja a reação
Ver artigo

Quando levaram Missie até à casa da dona, em Hertfordshire, esta soube logo que era a sua cadela – e o chip também ajudou. Contudo, parecia diferente, aparentando uma timidez que antes não tinha. "Foi uma mistura de pura alegria, mas também tristeza. A Missie estava num estado terrível", revelou Liz Elridge, citada pelo "Daily Mail".

A dona ainda acrescentou que acreditava que a cadela havia sido maltratada, no sentido de ser usada para fazer criação desmedida de ninhadas. "Acreditamos que ela esteve sempre acorrentada e que foi espancada", explicou, acrescentando que, quando queriam colocar-lhe uma trela, "ela ficava assustada".

Depois do regresso a casa e de por lá ter ficado durante uma semana, na qual foram repostas as doses de carinho que Missie não teve durante os 12 anos em que esteve desaparecida, a cadela está a melhorar. "A sua cauda está a começar a abanar mais e espero que ela comece a perceber que está de volta a casa, sã e salva", concluiu Liz Elridge, citada pelo diário britânico.

Veja as fotos.

As coisas MAGGníficas da vida!

Siga a MAGG nas redes sociais.

Não é o MAGG, é a MAGG.

Siga a MAGG nas redes sociais.

Fale connosco

Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado.