Foram registadas 13.795 infrações durante a campanha de segurança rodoviária "Cinto-me vivo", sendo que 80 dizem respeito à utilização incorreta ou não utilização de cadeirinhas para crianças. A iniciativa, levada a cabo pela Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária), Guarda Nacional Republicana (GNR) e Polícia de Segurança Pública (PSP), fiscalizou 41.150 veículos entre 8 e 14 de setembro.

O objetivo da campanha era alertar os condutores e ocupantes para a importância de usar sempre cintos e dispositivos de segurança, de acordo com informações da Agência Lusa, citada pelo "Observador". Das infrações registadas, para além daquelas relacionadas com as cadeiras de crianças, 1.180 foram relativas ao cinto e 31 por falta ou uso inadequado do capacete.

Segurança automóvel. Cadeiras infantis devem estar de costas para o condutor até aos 4 anos
Segurança automóvel. Cadeiras infantis devem estar de costas para o condutor até aos 4 anos
Ver artigo

Em relação ao transporte das crianças mais pequenas, em 2010, a Direcção Geral da Saúde (DGS) atualizou as suas diretrizes e introduziu a recomendação de que as crianças devem viajar de costas até aos 4 anos, algo que a Academia Americana de Pediatra já defendia.

 "As crianças devem viajar voltadas de costas para o sentido do trânsito até aos 3 ou 4 anos. Esta é a posição mais segura para as transportar no automóvel, devido à fragilidade do pescoço e ao peso da cabeça", lê-se no documento da DGS. "Caso seja mesmo necessário, só a partir dos 18 meses será admissível que a criança viaje virada para a frente."

"As cadeirinhas voltadas para trás salvam a vida de nove em cada 10 crianças em caso de acidente. Na Suécia, onde o seu uso é generalizado, não há mortes de crianças nessa faixa etária em acidentes banais", disse na altura Helena Sacadura Botte, da Associação para a Promoção da Segurança Infantil (APSI), ao "Diário de Notícias", na época da divulgação da atualização.

Newsletter

A MAGG é uma revista digital pensada para mulheres e focada nas preocupações centrais da vida de cada uma. Falamos de tudo o que está a acontecer de forma descontraída mas rigorosa.
Subscrever

Notificações

A MAGG é uma revista digital pensada para mulheres e focada nas preocupações centrais da vida de cada uma. Falamos de tudo o que está a acontecer de forma descontraída mas rigorosa.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.

Fale connosco

Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado.