Beyoncé fez história na 65.ª edição dos Grammys, que se realizou na noite de domingo, 5 de fevereiro, em Los Angeles. A ex-Destiny’s Child ganhou quatro prémios Grammy, que a tornaram na artista com mais premiada de sempre.

A artista de 41 anos ganhou quatro de nove categorias para as quais estava nomeada: melhor Álbum de Dança/Eletrónica (“Renaissance”); Melhor Gravação de Dança/Eletrónica (“Break My Soul”); Melhor Performance de R&B Tradicional (“Plastic Off the Sofa”) e Melhor Canção R&B (“Cuff It”).

Estes quatro Grammys fizeram com que a norte-americana alcançasse a meta dos 32 prémios e que reclamasse o título que cabia ao maestro Georg Solti (que ganhou 31 ao longo da carreira).

"Renaissance". Beyoncé anuncia nova digressão mundial, mas Portugal não está na lista
"Renaissance". Beyoncé anuncia nova digressão mundial, mas Portugal não está na lista
Ver artigo

Com as nomeações deste ano, Beyoncé torna-se a par do marido, Jay-Z, a artista com mais nomeações de sempre na história dos Grammys, com 88 nomeações.

Harry Styles foi outro nome de destaque. O britânico de 29 anos ganhou dois Grammys, incluindo talvez aquele que é o mais importante: o Álbum do Ano, quando tudo indicava para que fosse o álbum “Renaissance”, que Beyoncé lançou em 2022, o premiado nessa categoria. “Harry’s House” arrecadou ainda o prémio da categoria Melhor Álbum Pop Vocal.

Lizzo ganhou a Gravação do Ano, outro dos prémios principais da cerimónia, com o tema “About Damn Time” e dedicou-o ao artista Prince, que morreu em 2016, por ter sido uma das suas suas grandes inspirações para fazer “música positiva”. Adele venceu a melhor performance pop a solo com “Easy on Me” e dedicou o prémio ao filho Angelo.

Lista dos principais vencedores dos Grammys 2023

Gravação do Ano: "About Damn Time" de Lizzo
Álbum do Ano: “Harry’s House” de Harry Styles
Canção do Ano: "Just Like That" de Bonnie Raitt
Melhor Novo Artista: Samara Joy
Melhor Álbum Pop Vocal: “Harry’s House” de Harry Styles
Melhor Performance Pop a Solo: "Easy on Me" de Adele
Melhor Performance Pop de Duo/Grupo: "Unholy" de Sam Smith e Kim Petras
Melhor Álbum Pop Tradicional: “Higher” de Michael Bublé
Melhor Álbum de Dança/Eletrónica: “Renaissance” de Beyoncé
Melhor Gravação de Dança/Eletrónica: "Break My Soul" de Beyoncé
Melhor Álbum Rock: “Patient Number 9” de Ozzy Osbourne
Melhor Performance Rock: "Broken Horses" de Brandi Carlile
Melhor Canção Rock: "Broken Horses" de Brandi Carlile
Melhor Performance Metal: "Degradation Rules" de Ozzy Osbourne e Tony Iommi
Melhor Performance de Música Alternativa: "Chaise Longue" de Wet Leg
Melhor Álbum de Música Alternativa: “Wet Leg” de Wet Leg
Melhor Álbum Contemporâneo Instrumental: “Empire Central” de Snarky Puppy
Melhor Performance R&B: "Hrs & Hrs" de Muni Long
Melhor Performance R&B Tradicional: "Plastic Off the Sofa" de Beyoncé
Melhor Canção R&B: "Cuff It" de Beyoncé
Melhor Álbum R&B Progressivo: “Gemini Rights” de Steve Lacy
Melhor Álbum R&B: “Black Radio III” de Robert Glasper
Melhor Performance Rap: ‘The Heart Part 5’ de Kendrick Lamar
Melhor Performance Rap Melódico: "Wait for U" de Future, Drake e Tems
Melhor Canção Rap: ‘The Heart Part 5’ de Kendrick Lamar
Melhor Álbum Rap: “Mr. Morale & The Big Steppers” de Kendrick Lamar
Melhor Álbum de Música Urbana: “Un Verano Sin Ti” de Bad Bunny
Melhor Álbum de Rock ou Música Alternativa Latino: “Motomami” de Rosalía
Melhor Álbum Country: “A Beautiful Time” de Willie Nelson
Melhor Performance Country a Solo: "Live Forever’" de Willie Nelson
Melhor Audiobook: “Finding Me” de Viola Davis
Melhor Álbum de Comédia: “The Closer” de Dave Chappelle
Melhor Vídeo de Música: "All Too Well: The Short Film" de Taylor Swift
Compositor do Ano: Tobias Jesso Jr.
Produtor do Ano: Jack Antonoff

As coisas MAGGníficas da vida!

Siga a MAGG nas redes sociais.

Não é o MAGG, é a MAGG.

Siga a MAGG nas redes sociais.