Um ataque com arco e flecha em Kongsberg, a cerca de 80 quilómetros de Oslo, na Noruega, fez esta quarta-feira, 13 de outubro, cinco mortos e dois feridos e deixou o país em alerta. O suspeito, que já foi detido e acusado, é um homem dinamarquês de 37 anos que reside em Kongsberg, cidade onde ocorreu o ataque, noticia o jornal "The Guardian" com base num comunicado divulgado na manhã desta quinta-feira, 14 de outubro, pela polícia.

Aeroporto de Cabul sob ameaça de ataque terrorista. Portugal recebe mais refugiados
Aeroporto de Cabul sob ameaça de ataque terrorista. Portugal recebe mais refugiados
Ver artigo

"O homem é cidadão dinamarquês, mas mora em Kongsberg. Foi transportado para a prisão em Drammen na noite de quarta-feira", lê-se no comunicado em que polícia assume confirmar a informação "porque há muitos rumores a circular nas redes sociais sobre possíveis suspeitos que não podem ser vinculados aos atos graves."

Øyvind Aas, o chefe de polícia em Kongsberg, afirmou que ainda não se sabe o motivo que levou o suposto agressor a realizar o ataque, mas não se descarta a hipótese de terrorismo. "Uma pessoa realizou estas ações sozinha. É natural que se investigue a possibilidade de ter sido um ato terrorista. Mesmo assim, ainda é cedo para nos pronunciarmos", disse Aas, citado pelo "The Guardian".

A primeira-ministra ainda em exercício, Erna Solberg, considerou o ataque como "horrível", mas evitou especulações sobre o que terá motivado o homem a atacar. "Entendo que muitas pessoas estão com medo, mas é importante enfatizar que agora a polícia está atenta", disse em entrevista coletiva. Jonas Gahr Støre, o primeiro-ministro designado e que deverá assumir o cargo brevemente, classificou também o ataque como um "ato cruel e brutal", em declarações à agência de notícias do país, a NTB.

O alerta para as autoridade do ataque que teve lugar em vários locais foi dado perto das 18h15 locais desta quarta-feira, 13 de outubro.

Subscreva a newsletter da MAGG.
Subscrever

As coisas MAGGníficas da vida!

Siga a MAGG nas redes sociais.

Não é o MAGG, é a MAGG.

Siga a MAGG nas redes sociais.

Fale connosco

Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado.