"Estudo em casa" regressou esta segunda-feira, 19 de outubro, à RTP Memória. A parceria entre o Ministério da Educação e a RTP tem como objetivo "apoiar as atividades letivas nas escolas durante as primeiras semanas de aulas". Assim, o Ministério da Educação procedeu à seleção e à reorganização dos blocos anteriormente emitidos, tendo por base aspetos centrais para a recuperação das aprendizagens.

Os conteúdos transmitidos diariamente na RTP  terão um tempo limitado de 30 minutos num total de 75 blocos semanais e serão transmitidos, tal como anteriormente, das 9h às 16h30. Os blocos da manhã são dedicados aos alunos do  1.º e 2.º ciclos e os da tarde ao 3.º ciclo. Os alunos da telescola vão ter ainda acesso a novas disciplinas como Cidadania e Desenvolvimento e Educação Tecnológica. Há ainda um novo bloco de "Orientação do Trabalho Autónomo" que pretende estimular a autonomia dos alunos pressupondo que estes organizem melhor o tempo e as matérias.

Segundo o ministro Tiago Brandão Rodrigues, "este novo "Estudo em Casa" tem agora um fôlego renovado, com uma equipa de professores inteiramente dedicada à produção daquele que é, provavelmente, o maior repertório de conteúdos escolares de origem portuguesa, em linguagem audiovisual e abertos a toda a comunidade".

Este ano haverá 40 professores e quatro intérpretes de língua gestual, que vão dar aulas em "full-time". O ensino secundário terá a mesma equipa educativa e o mesmo número de blocos semanais do Básico. Contudo, estes conteúdos só vão começar a ser disponibilizados no próximo mês.

Apesar da haver várias mais valias do "Estudo em Casa" salienta-se a ideia de que este "não é a substituição da escola". "É uma iniciativa que mantém a escola próxima de todos/as, implicando uma articulação entre o trabalho desenvolvido/a desenvolver pelos docentes de cada uma das escolas", pode-se ler no site oficial.

Veja o horário completo.

Estudo em Casa
créditos: RTP/Divulgação

Subscreva a newsletter da MAGG.
Subscrever

As coisas MAGGníficas da vida!

Siga a MAGG nas redes sociais.

Não é o MAGG, é a MAGG.

Siga a MAGG nas redes sociais.

Fale connosco

Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado.