Marina Machete, 28 anos, foi coroada Miss Portugal na noite desta quinta-feira, 5 de outubro, sendo esta a primeira vez que uma mulher transgénero vence este título no nosso País. A modelo irá representar Portugal no concurso Miss Universo, que irá decorrer a 18 de novembro deste ano em El Salvador, na América Central.

Ainda se lembra de Yeniffer? Ex-concorrente do "Big Brother" eleita Miss Portuguesa 2023
Ainda se lembra de Yeniffer? Ex-concorrente do "Big Brother" eleita Miss Portuguesa 2023
Ver artigo

Marina Machete é da vila de Palmela, em Setúbal, e além de ter sido coroada Miss Portugal, também venceu na categoria que destaca a candidata mais confiante. O concurso realizou-se em Borba, no distrito de Évora, onde desfilaram 16 participantes. A modelo sucede a Telma Madeira, que alcançou o top 16 no concurso Miss Universo em Nova Orleães, nos Estados Unidos, em janeiro.

“Orgulho em ser a primeira mulher trans a competir pelo título de Miss Universo Portugal. Durante vários anos não me foi possível participar e hoje orgulho-me de fazer parte deste incrível grupo de finalistas”, escreveu Marina no Instagram há cerca de uma semana. Eis algumas curiosidades sobre a modelo.

1. É a terceira mulher transgénero a participar no concurso Miss Universo

Marina Machete é a terceira mulher transgénero a representar o seu país na competição global. Em 2018, a sevilhana Angela Ponce foi coroada Miss Espanha e, como tal, representou o país no concurso Miss Universo. Já este ano Valerie Kollé, dos países Baixos, também venceu o concurso no seu país e será uma das concorrentes em competição com a modelo portuguesa.

O concurso Miss Universo permitiu a participação de pessoas transgénero em 2012, depois de uma onda de críticas gerada depois da desqualificação da concorrente canadiana Jenna Talackova por ser uma mulher transgénero.

2. Marina teve de lidar com "muitos obstáculos"

No seu vídeo de apresentação, publicado no Youtube, Marina Machete revela ter passado por muitos obstáculos por ser uma mulher transgénero. “Como mulher transgénero lidei com vários obstáculos ao longo do meu caminho, mas felizmente, e especialmente com a minha família, o amor provou ser mais forte do que a ignorância”, afirmou a jovem de Palmela.

3. Marina é uma amante de animais

Marina Machete vem de uma família com muitos animais, mais precisamente oito gatos e um cão. Quando vai trabalhar “tem muitas saudades deles”. Como tal, além da luta pelos direitos das pessoas transgénero, os “direitos dos animais e a sua proteção” são outra das causas que defende, “onde quer que esteja no mundo”.

A modelo considera que os animais foram “os seres” que estiveram ao seu lado “durante a sua vida, não importa em que fase estivesse”. “Eles mostraram-me a maior bondade”, disse no seu vídeo de apresentação.

4. A outra profissão de Marina

Além de modelo, Marina Machete é assistente de bordo há cinco anos. Esta profissão mantém-na atenta relativamente a como as pessoas transgénero são tratadas pelos outros. “Tem sido uma experiência transformadora para expandir, não só, os meus horizontes, literalmente, mas também para me alertar para a forma como outras culturas lidam com pessoas ‘trans’ em todo o mundo”, afirmou no vídeo de apresentação partilhado no canal de Youtube Miss Queen Portugal.

5. Os gostos da modelo

A modelo e assistente de bordo gosta de “fazer as pessoas rir” e de “estar rodeada daqueles que a fazem feliz, que a apoiam e que transmitem uma boa energia”. Além disso, adora “passar tempo na natureza”, a dar caminhadas e, principalmente, “estar rodeada de animais”.

6. Marina sofreu de bullying na escola

Marina Machete também revelou ter estado envolvida em vários “projetos sociais” em Portugal desde adolescente, por sentir que “tinha de lutar” pelos seus “direitos” e “defender as crianças que têm medo de ser elas mesmas”.

Além disso, contou que sofreu de bullying enquanto andava na escola. “A escola não foi muito fácil, sofri muito bullying, mas agora estando do outro lado vejo que a única maneira de lidar com estes problemas é através da educação”, afirmou.

Como tal, a modelo “luta” e investe “a sua energia” para que “as próximas gerações aprendam a ser bons, a aceitar e especialmente que a diversidade dos seres humanos é bonita”, referiu no vídeo de apresentação.

As coisas MAGGníficas da vida!

Siga a MAGG nas redes sociais.

Não é o MAGG, é a MAGG.

Siga a MAGG nas redes sociais.