Em contagem decrescente para o final do ano, a empresa de auditoria Nielsen já fez saber quais foram as séries mas vistas ao longo de 2020. Como tem vindo a ser habitual, as séries policiais estão em grande destaque e todas elas passaram na televisão linear. Afinal, o streaming nunca iria matar a televisão até porque, apesar da popularidade deste tipo de plataformas, a televisão continua a ter espaço na vida de cada um.

Num lista encabeçada por "NCIS: Investigação Criminal" que somou uma média de 15.4 milhões de espectadores ao longo do ano, a única surpresa talvez seja a perda de audiência de "This Is Us" face aos resultados divulgados pela empresa em maio.

A série que ninguém está a ver (mas devia). "The Leftovers" mói e destrói, mas é uma das melhores histórias dos últimos anos
A série que ninguém está a ver (mas devia). "The Leftovers" mói e destrói, mas é uma das melhores histórias dos últimos anos
Ver artigo

Nessa altura, a série somava cerca de 11.55 milhões de espectadores, mas chegou ao final do ano com uma audiência de 11.25 milhões — um decréscimo relevante, se tivemos em consideração que a nova temporada estreou-se em outubro. À frente de "This Is Us", cuja última temporada só chegou a Portugal a 12 de novembro, estão outras como "Young Sheldon" ou a muito popular "Chicago Fire".

Mostramos-lhe as 8 séries mais vistas ao longo de 2020, com direito a trailer e à indicação de quantos milhões de espectadores a sintonizaram, semanalmente, nas suas televisões.

  • "NCIS: Investigação Criminal" (Média de 15.4 milhões de espectadores)

Os dilemas da equipa de Investigação de Crimes Navais, em Washington, nos EUA, continua a dar que falar desde 2003. Por entre saída e entrada de personagens, a história tem-se mantido cativante ao postar numa boa dose de investigação policial, drama e ação.

  • "FBI" (Média de 12.89 milhões de espectadores)

Ao acompanhar os esforços que uma equipa destacada do FBI tem de abraçar para capturar os criminosos mais violentos e perigosos do mundo, a série tem sido capaz de fidelizar espectadores.

Prova disso é o facto de ser a segunda mais vista desde o início do ano.

  • "Blue Bloods" (Média de 12.16 milhões de espectadores)

Ainda na temática de polícias, "Blue Bloods" dá corpo ao dia a dia de uma família de agentes da polícia. Os episódios, que deambulam entre a novela e a série dramática, mostram como é manter o equilíbrio entre a família e o trabalho — em situações em que, muitas das vezes, os agentes são obrigados a escolher apenas um lado.

  • "Chicago Fire" (Média de 11.99 milhões de espectadores)

Em jeito de homenagem, esta série conta os dramas pessoais dos bombeiros de Chicago que, diariamente, dão o corpo e a vida para salvar aqueles que mais precisam. Desde 2012 que a série se tem mantido relevante ao acompanhar vários momentos importantes da década, como os grandes incêndios que, ao longo dos anos, foram devastando os EUA.

  • "Chicago PD" (Média de 11.52 milhões de espectadores)

Mais uma série de polícias. A diferença é que aqui há três grupos em constante conflito — os criminoso, a fação de agentes fardados e os responsáveis pelas escutas e por dar apoio aos agentes no terreno.

As audiências não mentem: continua a atrair público.

  • "Young Sheldon" (Média de 11.4 milhões de espectadores)

A série "Young Sheldon" não é mais do que uma prequela de "A Teoria do Big Bang", que retrata os primeiros anos de vida do físico mais hilariante e carismático de sempre da televisão. Misturado o humor surreal e, por vezes, ácido, é uma das grandes vencedores do ano.

  • "Chicago Med" (Média de 11.36 milhões de espectadores)

Não há falta de séries de médicos na televisão. E esta tem sido das preferidas pelos espectadores, que gostam de um bom equilíbrio entre ver o dia a dia dos médicos do hospital de Chicago, à medida que se vêem a braços com os dilemas provocados pelas suas relações interpessoais que, por vezes, interferem no seu trabalho.

  • "This Is Us" (Média de 11.25 milhões de espectadores)

Em emissão desde 2016, a série foca-se maioritariamente na vida dos irmãos — conhecidos como os Big Three, na série — Kevin, Randall e Kate. E ainda que se passe no presente, recorre frequentemente à reconstrução do passado para mostrar a relação dos pais, Jack and Rebecca Pearson.

Mas à medida que a história foi avançado, os irmãos foram tendo cada vez mais destaque, bem como os seus receios, ansiedades e dilemas morais com que se veem obrigados a lidar diariamente e de forma sistemática.

Subscreva a newsletter da MAGG.
Subscrever

As coisas MAGGníficas da vida!

Siga a MAGG nas redes sociais.

Não é o MAGG, é a MAGG.

Siga a MAGG nas redes sociais.

Fale connosco

Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado.