O clima de guerra com Ana Morina parece estar instalado na casa do "Big Brother". No quarto, Rafael conversou com Letícia e Ricardo sobre uma carta anónima que, num jogo, a concorrente enviou a Yeniffer.

Na carta, aconselhava a colega a assumir força e coragem na liderança. Para o empresário do ramo automóvel, é mais um exemplo de falta de sororidade. Entretanto, Bruno intervém na conversa: "É bom que isto fique ciente que eu defendo exatamente as mesmas causas que ela [Ana Morina] e defendo-as com toda a força do meu ser. Agora, aplicar isso a tudo aquilo que se faz no dia a dia, não é estar a elevar a causa, é estar a denegri-la".

Na perspetiva do arquiteto, Morina não só defende a sua causa de forma incoerente, como também acredita estar 100% correta. "O facto de tu confrontares, pela primeira vez, duas mulheres numa gala, com duas atitudes delas, por mais que tu aches que as atitudes sejam negativas, isso mostra uma grande falta de frontalidade e mostra uma grande falta de honestidade. Portanto, isso aí, não é, de todo, sororidade. Eu acho que ela sabe perfeitamente que meteu a pata na poça, mas não dá o braço a torcer", partilhou com os colegas, referindo-se a acusações de Ana Morina a Ana Barbosa e Aurora.

Bruno acredita que, sem a causa, a colega não tem protagonismo. Ricardo concorda e acrescenta que, se lhe tirarem a causa, esta fica sem jogo. Já Rafael, fala sobre o seu sonho: ser salvo, ganhar a prova do líder, nomear a Ana Morina e expulsá-la diretamente. Ao Big, no confessionário, confessa: "No que eu puder queimá-la aqui dentro, vou queimá-la. E está visto que não é só por mim, já é por toda a gente". O empresário garante, ainda, que, se pudesse expulsar a concorrente em troca de retirar 100 mil euros ao prémio final, o faria.

Momentos antes, no jardim, Rafael afirmou a Rui Pinheiro e João que Ana Morina "é uma pessoa medíocre". Para o concorrente, Ana Morina julga-se a mais inteligente na casa, mas não sabe defender a causa que abraçou no início do programa. "Não a quero ver pintada nem mascarada o resto da minha vida", assegurou aos rapazes.

A guerra com Ana Morina foi tema de debate no "BB Extra" de quinta-feira, 7 de outubro. Para Helena Isabel, "tivemos sorte, graças a Deus, porque ela só levou uma causa". A comentadora acredita que os concorrentes estão fartos da causa da colega, porque esta aplica-a a tudo, de todas as formas, o que faz com que perca a validade e importância. "É uma causa desvirtuada da verdadeira causa", sublinhou.

Flávio Furtado diz que o jogo seria mais interessante se a concorrente fosse só a sua personalidade. "Ser a Ana Morina já é uma dor de cabeça. Ser a Ana Morina com aquela causa, que afinal não é bem a causa, é uma chatice". Contudo, na opinião do comentador, o empresário de Fafe exagerou ao dizer que abdicaria de dinheiro para a expulsar. "Nesta casa entraram 20 concorrentes e o 21.º era o ego do Rafael".

Ana Morina: vítima ou vilã? "Se queres continuar com esse teatro, não quero saber"

A executiva desabafou com Maria da Conceição sobre Bruno andar a conspirar contra si. "Ele não tem que se meter nas minhas decisões. (...) Eu tive um propósito para que aquilo acontecesse. Se a Ana [Barbosa] quiser avançar e continuar aliada minha, muito bem. Se ela não quiser também está livre de não se dar comigo", diz Ana Morina, referindo-se à gala em que acusou a "capitã Barbosa" de ter chamado um nome a Débora.

Conceição recorda que também avisou a colega de que não deveria ter guardado o assunto para o direto de domingo, mas ressalva que a conversa "já cheira mal". "Não interessa o que eu devia ter feito. Foi aquilo que eu decidi fazer", justifica a executiva, acrescentando que é mais forte em aliança com Ana Barbosa e, de costas voltadas, ficam as duas a perder. "Muita gente aqui quer ver tu e a Ana Barbosa separadas. (...) Não deixes, tu és muito inteligente", enfatizou Maria.

Num outro momento, Bruno e Ana Barbosa tentaram esclarecer o mal entendido. Em relação à mensagem para Yeniffer, Ana Morina garante que foi positiva, mas o arquiteto acha que colocou a líder "em cheque" e é assertivo: "Em relação à teoria da sororidade está tudo muito bem, em relação à prática está tudo muito mal".

Bruno acabou por perder a paciência e virar costas. "Tu é que me queres pintar o mau da fita, mas eu para isso não tenho nada a dizer. Se queres perceber o que as pessoas te estão a dizer, pois muito bem. Se não queres perceber e queres continuar com essa treta e esse teatro, não quero saber", afirmou.

A conversa prosseguiu com a emigrante na Suíça. Apesar de a carta ter sido anónima, Ana Morina assegura que não precisava. "Se há uma coisa que eu tenho é coragem. O meu corpo vai às balas, aconteça o que acontecer". A executiva pediu a Ana Barbosa para confiar nela e confessou que gosta de estar com os mais fortes, porque é com esses que aprende, pelo que não tem interesse em vê-la fora do jogo.

Ana Barbosa foi a concorrente salva pelo público, esta quinta-feira, 7 de outubro. Ana Morina, Conceição, Débora Neves, João Ligeiro e Rafael Teixeira continuam em risco de expulsão. Como é habitual, a MAGG abriu uma sondagem para saber quem é o favorito dos leitores.

Responda à sondagem aqui.

Subscreva a newsletter da MAGG.
Subscrever

As coisas MAGGníficas da vida!

Siga a MAGG nas redes sociais.

Não é o MAGG, é a MAGG.

Siga a MAGG nas redes sociais.

Fale connosco

Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado.