Na ilha de São Miguel, nos Açores, está prestes a nascer mais uma flor neste tempo de primavera. Chama-se Senhora da Rosa Tradition & Nature Hotel e é já a 16 de abril que abre portas aos hóspedes, depois de a pandemia ter atrasado a abertura um ano. Ainda assim, esse tempo serviu para aprimorar cada pormenor do hotel que mantém traços da propriedade familiar do século XVIII, bem como da natureza envolvente levada para dentro da nova unidade de quatro estrelas.

Mas quem é, afinal, a Senhora da Rosa? "Senhora da Rosa é uma Santa que existe, mas estava na ermida [pequena igreja] dos nossos vizinhos da frente. Nós temos uma pequena capela, mas a nossa Santa é a Nossa Senhora de Lurdes. A rua chama-se Rua Senhora da Rosa, por isso esta casa sempre foi conhecida como a casa da Senhora da Rosa", explica Joana Damião Melo, fundadora do novo hotel. "Quando abrimos, em 1994, não tivemos dúvidas em chamar Senhora da Rosa. E ficou o nome".

1994 diz respeito aos tempos em que a casa da Senhora da Rosa começou por funcionar como estalagem, local de passagem para muitos locais que buscavam conforto para estar e degustar, conforto esse que foi trazido para os dias de hoje. "Dedicámo-nos ao que foi a Senhora da Rosa naquela época, enquanto unidade hoteleira, e tentámos trazer um bocadinho do passado a nível de gastronomia", refere Joana, referindo-se ao restaurante Magma, que vai fazer parte da nova unidade. Mas as memórias estão presentes por toda a parte, algo que Joana, bem como os sócios José Pedro Sousa e o irmão Miguel Damião, fizeram questão de manter.

O Senhora da Rosa Tradition & Nature Hotel fica muito perto do centro da cidade de Ponta Delgada, o que faz deste um "pequeno refúgio citadino", diz Joana. "Ninguém se apercebe, estando aqui dentro, que estamos tão perto de Ponta Delgada", diz, destacando que a menos de 5 minutos de carro os hóspedes podem ter acesso a toda a oferta de restauração e turismo do centro da cidade.

Ver e sentir a natureza dentro dos próprios quartos

O Senhora da Rosa Tradition & Nature Hotel assenta em dois principais conceitos: tradição e natureza. "Natureza porque estamos inseridos na ilha verde, é o nossa característica número um e que mais nos identifica, e não só para viver a natureza da ilha, como também do meu próprio espaço", refere Joana Damião Melo. Isto porque a quinta tem uma grande variedade de árvores de fruto e de flores, que se coaduna com a fauna intensa em redor.

Com ajuda da mãe, formada em decoração de interiores, Joana cumpriu com a premissa que idealizou para a unidade: "Trazer a natureza para dentro do hotel". Todos os espaços são então dominados por plantas, tons verdes quer nas paredes, quer em tecidos, e ainda por fotografias de paisagens da ilha presentes em cada um dos 33 quartos no edifício principal do hotel — escolhidas pelo irmão Miguel Damião, que é ator de profissão e também já foi fotógrafo.

Já no que diz respeito à tradição, Joana tentou realçar o que já tinha dentro da propriedade, como a ermida de 1987, os cafuões — casinhas em madeira elevadas do solo, nas quais antigamente se guardavam os cereais da quinta —, edificou um pequeno museu que funciona como centro interpretativo sobre os mais de 200 anos de história da propriedade — que começou com a plantação de laranja no século XVIII, passando depois para o ananás após uma praga que atacou a quinta —, e a estes espaços junta-se ainda um caramanchão antigo cheio de vegetação em volta, no qual antigamente as raparigas namoravam com os rapazes.

O hotel conta no total com 35 quartos, sendo que dois deles, os tranquility garden lodges, estão no meio da quinta e resultam da recriação dos tradicionais cafuões cujo conceito a proprietária quis manter na quinta para proporcionar uma experiência “in the woods”. São autênticos refúgios que permitem um contacto próximo com a natureza e uma experiência única digna de sonho (aqui realizado).

Um banho com aroma a ananás

Além dos 33 quartos com vista para o azul do Oceano Atlântico e da piscina exterior e para o verde da vegetação da quinta, e outros dois nos cafuões com os sons dos pássaros bem próximos logo pela manhã, o Senhora da Rosa Tradition & Nature Hotel acolhe também o spa Musco, no qual pode tirar todos os benefícios dos óleos essenciais de produtos locais num dos tratamentos disponíveis.

O spa conta com quatro salas de tratamento com terraço e ainda uma sala de relaxamento, banho turco e sauna, e um estúdio para aulas de ioga e de pilates.

Além do spa, encaixado num desnível do terreno sob a nova piscina exterior, a propriedade conta com outra inigualável experiência, desta vez num tanque de água aquecida, que está instalado dentro de uma das estufas de ananases da quinta.

Depois de alinhar corpo e mente, poderá também equilibrar o espírito numa ida à capela dentro da quinta do Senhora da Rosa Tradition & Nature Hotel. Foi restaurada e totalmente preparada para o lançamento, de modo a que qualquer hóspede possa entrar e visitar. Quanto a eventuais missas, a proprietária avança que já está em contacto com o padre da Paróquia e poderão vir a acontecer no futuro.

Sabores do mar, do mundo e para todos

Tal como a decoração de todo o hotel, o restaurante mantém alguns aspetos antigos, como a serrilharia do avô de Joana e a essência do serviço dos tempos da estalagem. "Sou muito abordada por pessoas com memórias dos pratos que comiam no restaurante e do serviço que tinham aqui", diz Joana.

O serviço e sabores de outros tempos mantêm-se, bem como a tolha branca na mesa que, segundo a proprietária, "é uma coisa que caiu muito nos últimos" e a proprietária quer manter no restaurante com cariz clássico. A carta da autoria do chef João Alves — que já passou pelas cozinhas do Penha Longa Resort e o Pine Cliffs Resort —, apresenta-se então com sugestões do Atlântico e sabores açorianos feitos com produtos locais (e até da horta do hotel).

Já pode "respirar a natureza na sua plenitude" no novo alojamento de Catarina Gouveia em Tróia
Já pode "respirar a natureza na sua plenitude" no novo alojamento de Catarina Gouveia em Tróia
Ver artigo

Apesar de os pratos manterem algumas das tradições da gastronomia portugueses, sofreram uma reinvenção, que acompanha a evolução da gastronomia desde os tempos da estalagem.

Uma delas são as opções vegetarianas e vegan ou que exigem outros cuidados. "Eu já tenho muita experiência, e o meu chef de serviço também, com grupos de ioga, que necessitam de uma alimentação mais especial", diz Joana Damião Melo, que tem perfeita consciência "das novas necessidades e novas exigências" para as quais o Senhora da Rosa Tradition & Nature Hotel está pronto a corresponder.

Quanto ao pequeno-almoço, servido no restaurante com as devidas medidas de segurança em tempo de pandemia, contará com produtos locais e sazonais, incluindo a fruta típica e produzida na própria quinta, como o ananás das estufas, as goiabas, as bananas prata e as nêsperas, e ainda compotas e iogurtes feitos no próprio hotel. Quanto ao pão, está em vias de sair quentinho do forno do hotel todos os dias de manhã. "Estamos a trabalhar em receitas para fazer o nosso próprio pão", avança Joana. O que também não pode faltar num bom pequeno-almoço de hotel são panquecas e as da Senhora da Rosa serão saudáveis: "Aquelas de aveia e banana e não a tradicional".

Daqui a mais alguns meses poderá ainda desfrutar da vista e dos petiscos do bar rooftop Mirante, que vai abrir apenas em junho e será um projeto sazonal. Fica no topo do edifício principal, permitindo uma vista panorâmica sob a ilha a partir da esplanada. Na carta não há horizonte à vista, uma vez que os petiscos percorrem todo o mundo, desde os tacos mexicanos, os gunkans japoneses, até às tapas espanholas. O objetivo é oferecer um conceito de "convívio, uma coisa despretensiosa, uma coisa informal. Romper totalmente com o restaurante cá em baixo e criar dois produtos complementares e não concorrentes entre si", afirma a proprietária.

O restaurante, bem como o bar e o spa, poderão ser visitados por hóspedes e não hóspedes e estes últimos poderão provar os pratos do restaurante em casa. O Magma vai funcionar em sala, regime take away e entrega em casa através do serviço próprio — com versões mais curtas da oferta principal no restaurante — e também poderá encomendar através da plataforma Glovo.

A estadia no hotel Senhora da Rosa Tradition & Nature Hotel custa entre 110€ a 300€ por noite.

Senhora da Rosa Tradition & Nature Hotel

Localização: Rua da Senhora da Rosa, 3, 9500-450, Ponta Delgada, São Miguel, Açores
Reservas: geral@senhoradarosa.com ou +351 296 100 900
Site: www.senhoradarosa.com

Subscreva a newsletter da MAGG.
Subscrever

As coisas MAGGníficas da vida!

Siga a MAGG nas redes sociais.

Não é o MAGG, é a MAGG.

Siga a MAGG nas redes sociais.

Fale connosco

Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado.