O fogo de artifício que marca a chegada do Ano Novo pode ser um espetáculo maravilhoso para os humanos, mas um verdadeiro pesadelo para os animais de estimação. O som intenso do rebentar dos foguetes amedronta cães e gatos ao ponto de poderem ter crises de ansiedade ou até mesmo fugirem de casa.

No entanto, há coisas que pode fazer para evitar o sofrimento dos companheiros de quatro patas. Falámos com a médica veterinária Joana de Almeida, que explica o que pode fazer para proteger o seu animal de estimação nestes momentos.

Veterinário alerta: "as pessoas sobrealimentam de forma sistemática os seus animais"
Veterinário alerta: "as pessoas sobrealimentam de forma sistemática os seus animais"
Ver artigo
Joana de Almeida
Joana de Almeida, médica veterinária créditos: LinkedIn

Abrigue o animal

Primeiramente, se tem o seu animal fora de casa, recolha-o na noite da passagem de ano. "Seja em casa, numa garagem ou num anexo, o importante é confinar ao máximo o animal para evitar que fuja com o stress provocado pelo barulho e pela luminosidade do fogo de artifício", explicou a veterinária. "Idealmente, abrigue-o numa das divisões mais centrais da casa, que fique o mais longe possível do exterior, numa casa de banho, por exemplo", acrescentou. Para além disso, certifique-se que deixa as portas e janelas bem fechadas para evitar fugas.

Fale com calma, sem pressionar

Se o seu animal costuma ter reações mais agressivas e se é stressado por natureza, é altamente provável que fique afetado com o fogo de artifício. Se ele começar a ladrar ou a rosnar não precisa de o confortar nesse momento. "O animal está amedrontado e, se o pressionamos demasiado, estamos a reforçar o comportamento provocado pelo medo", disse a profissional. Pode, contudo, falar com ele com calma e tranquilidade, fale com ele sobre a entrada no ano de 2023 e como vai ser um ano fantástico cheio de passeios e comida boa, por exemplo.

Dê-lhe espaço

Se ele se esconder, não se preocupe. "Especialmente se tiver um gato, pode dar-lhe acesso aos sítios onde ele gosta de se esconder e não o vá buscar", sugeriu a veterinária. Quando ele se sentir mais calmo voltará para junto de si. Isto não significa que não deva ir verificando se está tudo bem com o seu companheiro. "Faça visitas regulares ao esconderijo para ver em que estado se encontra", relembrou.

Fale com o veterinário

Joana de Almeida recomenda ainda que, se tem um animal de estimação que já tem um historial de reatividade, fica muito ansioso em situações de maior stress ou tem problemas cardíacos, fale com o veterinário para que este lhe receite medicação certa para evitar o sofrimento do seu companheiro.

As coisas MAGGníficas da vida!

Siga a MAGG nas redes sociais.

Não é o MAGG, é a MAGG.

Siga a MAGG nas redes sociais.