Um cão chamado Remy foi deixado à porta de um canil, amarrado a um poste, e com um bilhete na coleira que dizia: "Ele precisa de ser abatido o mais rapidamente possível". O caso que está a emocionar os norte-americanos aconteceu na cidade de Greenville, Carolina do Sul, e lança um alerta para o problema grave de falta de dinheiro com que vivem muitos canis, um pouco por todo o mundo (inclusive em Portugal). A instituição acabou por recolher o animal mas o final da história deverá ser o pior.

O caso aconteceu na passada semana, última de verão, e começou por ser uma incógnita. O cão foi encontrado por um funcionário da Greenville Humane Society, que o viu à porta do canil, preso a um poste, e com a referida carta presa na coleira. Levou-o para dentro e leu a carta, escrita pelo irmão da dona. "Ele tem doenças. Não acredito que sejam reparáveis. Ele precisa de ser abatido o mais rapidamente possível". O homem resolveu então entregar o cão aos veterinários do canil para que lhe fizessem vários testes, para que tentassem confirmar se o animal sofria, ou não, de uma condição médica.

Oscar. A história do cão que foi abandonado depois de os donos o terem identificado como gay
Oscar. A história do cão que foi abandonado depois de os donos o terem identificado como gay
Ver artigo

Os resultados confirmaram o pior. Remy tem um problema cardíaco grave, que só poderá ser reparado com recurso a uma operação. De acordo com a American Kennel Club, associação de defesa dos direitos dos cães americanos, a condição é das mais graves que um cão pode ter e caso não se faça a cirurgia o animal irá morrer em pouco tempo. Só que as coisas não são tão simples quanto poderá parecer. O canil tem um número muito limitado de meios técnicos e humanos e não tem condições financeiras para pagar para que a operação se faça. Por isso, a Greenville Humane Society lançou um apelo para que a sociedade civil os ajude com donativos, que é a única forma de conseguirem agir em situações como esta. "O Fundo da Esperança permite-nos tratar esses casos especiais que, infelizmente, em alguns outros abrigos, terminariam em eutanásia", explicou a CEO da Greenville Humane Society, Rachel Delport.

Não entrando dinheiro na instituição, o animal deverá mesmo ser abatido em breve pelo canil.

As coisas MAGGníficas da vida!

Siga a MAGG nas redes sociais.

Não é o MAGG, é a MAGG.

Siga a MAGG nas redes sociais.

Fale connosco

Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado.