A nova variante do SARS-CoV-2 detetada no Reino Unido deixou o mundo em alerta. Este domingo, 20 de dezembro, a Direção-Geral da Saúde (DGS) pronunciou-se sobre o tema dizendo que, de acordo com os dados de que dispõe, a nova variante pode não diminuir a eficácia das vacinas desenvolvidas contra a COVID-19.

"As vacinas demonstraram ser capazes de induzir a produção de anticorpos protetores nos seres humanos contra várias regiões da espícula do vírus, pelo que, com base na opinião dos peritos do Reino Unido, não existem dados que sugiram a perda de eficácia das vacinas nesta nova variante”, começa por explicar a DGS, numa resposta escrita enviada à Agência Lusa, citada pelo "Observador", onde acrescenta que "estas alterações podem estar associadas ao aumento da transmissibilidade do novo coronavírus".

COVID-19. Nova variante identificada no Reino Unido é 77% mais transmissível
COVID-19. Nova variante identificada no Reino Unido é 77% mais transmissível
Ver artigo

"As mutações do vírus, que tornaram esta variante a dominante no Reino Unido, estão a ser acompanhadas pelo Centro Europeu de Prevenção e Controlo das Doenças e pelas autoridades de saúde em Portugal”, acrescenta a nota, lembrando ainda que "os vírus mudam constantemente por meio de mutações, pelo que o surgimento de uma nova variante é uma ocorrência esperada, não sendo um motivo de preocupação por si só". A DGS explica também que o impacto desta nova variante na "sensibilidade e especificidade dos testes laboratoriais utilizados para o diagnóstico da COVID-19 está ainda a ser analisado".

Após o surgimento desta nova estirpe da COVID-19, dezenas de países anunciaram restrições às ligações aéreas, marítimas e terrestres com o Reino Unido. Este domingo, 20, os ministérios da Administração Interna e da Saúde anunciaram que Portugal aplicou restrições com efeito a partir das 00h desta segunda-feira à entrada de passageiros provenientes deste destino. 

As medidas autorizam a entrada em território nacional de passageiros de voos provenientes do Reino Unido que sejam cidadãos nacionais ou cidadãos legalmente residentes em Portugal. À chegada, os passageiro têm ainda de apresentar um teste que prove que não estão infetados com o novo coronavírus.

Subscreva a newsletter da MAGG.
Subscrever

As coisas MAGGníficas da vida!

Siga a MAGG nas redes sociais.

Não é o MAGG, é a MAGG.

Siga a MAGG nas redes sociais.

Fale connosco

Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado.