Todos sabemos como ir às compras pode ser frustrante. As calças que a olho parecem servir, chegam ao provador e não passam da anca. A camisa que até serve, mas fica apertada no peito. O vestido que é lindo mas que precisava de mais umas copas para assentar na perfeição.

Este tipo de frustração de provador acontece tanto a homens como mulheres, mas neste caso foi uma mulher americana, Katie Sturino, quem decidiu criar o movimento #MakeMySize para deixar um lembrete às marcas de roupas de que nem todos os corpos são iguais.

Katie usa as suas redes sociais para mostrar imagens suas em provadores de lojas com roupas que não lhe servem. é desta forma que lança o apelo às marcas, identificando-as, para que criem números que possam servir a todos os tipos de corpos. Um  marcas já faladas foi a de luxo britânica L.K.Bennett, uma das mais usadas pela princesa Kate Middleton.

Vaginismo. Como é viver com a doença de Esty de "Unorthodox" que impossibilita as mulheres de terem relações sexuais
Vaginismo. Como é viver com a doença de Esty de "Unorthodox" que impossibilita as mulheres de terem relações sexuais
Ver artigo

"Como uma das marcas favoritas da princesa Kate, seria maravilhoso darem a mais mulheres acesso ao seu estilo! O maior tamanho que fazem é um US14 e acho que as mulheres que excedem esse limite ficariam realmente bem nas vossas peças e silhuetas simples! Sei que temos dificuldade em comprar tamanhos grandes nos EUA, mas parece ainda pior por aqui? O que é que vocês acham?", disse a autora do blogue The12ishStyle.

Para contrariar a ideia de que quem tem mais volume não pode usar determinado tipo de roupas, Katie partilha no blogue a rubrica #SuperSizeTheLook. Já fez recriações dos looks de Victoria BeckhamMeghan MarkleHillary Duff e da supermodelo Alessandra Ambrosio.

Contudo, é nas redes sociais que a blogger inspira outras mulheres a fazer com que as marcas mudem os modelos. Já fez nascer uma onda de partilhas — e a hashtag #MakeMySize conta já com 7 415 publicações no Intagram. Mostramos algumas das imagens de Katie que deram origem ao movimento.

Subscreva a newsletter da MAGG.
Subscrever

As coisas MAGGníficas da vida!

Siga a MAGG nas redes sociais.

Não é o MAGG, é a MAGG.

Siga a MAGG nas redes sociais.

Fale connosco

Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado.