Já a preparar-se para o inverno, o Reino Unido anunciou esta segunda-feira, 3 de agosto, que vai lançar 450 mil inovadores testes de zaragatoa que detetam a infeção com COVID-19 e a gripe em apenas 90 minutos em lares e hospitais a partir da próxima semana, de acordo com o "The Guardian".

Em causa está um teste de zaragatoa, chamado LamPORE, que têm a vantagem de acelerar o diagnóstico, uma vez que os atuais testes só permitem o resultado após 24 horas, ou até dois dias, como acontece com um quarto das amostras recolhidas.

O objetivo é estender o método a mais pessoas e serviços até ao final do ano. A par dos testes de zaragatoa, serão também lançadas cerca de 5 mil máquinas de teste de ADN, as DnaNudge, em hospitais do NHS [Serviços Nacional de Saúde britânico] a partir de setembro. Estima-se que estas máquinas permitam 5,8 milhões de testes nos próximos meses, de acordo com o informou o Ministério da Saúde.

"Milhões de novos testes rápidos de coronavírus fornecerão resultados no local em menos de 90 minutos, ajudando-nos a quebrar rapidamente as cadeias de transmissão. O facto de estes testes detetarem a gripe, assim como a COVID-19, será extremamente benéfico à medida que avançamos no inverno, para que os pacientes possam seguir os conselhos certos para se protegerem e aos outros", afirma o ministro da Saúde do Reino Unido, Matt Hancock, acrescentando que ambas as formas de teste podem mesmo ser "salvadoras de vidas".

Vacina da COVID-19 considerada segura no primeiro ensaio vai ser aplicada em grupos de risco
Vacina da COVID-19 considerada segura no primeiro ensaio vai ser aplicada em grupos de risco
Ver artigo

Apesar das vantagens aparentes, alguns especialistas mantêm-se cautelosos quanto aos testes. Defendem que a eficácia deve ser primeiro comprovada, de forma a evitar o que aconteceu durante a pandemia: "O governo acelerou a compra de testes com base nas alegações do fabricante e descobriu mais tarde, quando estudos independentes são realizados, que os testes não têm desempenho adequado para uso no NHS", disse o professor Jon Deeks, da Universidade de Birmingham, citado pelo jornal "The Guardian".

As coisas MAGGníficas da vida!

Siga a MAGG nas redes sociais.

Não é o MAGG, é a MAGG.

Siga a MAGG nas redes sociais.

Fale connosco

Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado.