Selos muito semelhantes aos "Clean & Safe", atribuídos pelo Turismo de Portugal a unidades hoteleiras e similares que se encontrem seguros e sem riscos de contagiar os clientes com o novo coronavírus, estiveram à venda em sites como o OLX, por apenas três euros.

A notícia é avançada pelo "Público" este sábado, 22 de agosto, que contactou os vendedores dos mesmos, que garantiram não ter responsabilidade sobre se os compradores cumprem ou não os requisitos de higiene e segurança exigidos pela entidade de turismo nacional. No entanto, os anúncios já foram eliminados.

Clean & Safe. 10 hotéis e turismos rurais incríveis onde pode fazer férias em segurança
Clean & Safe. 10 hotéis e turismos rurais incríveis onde pode fazer férias em segurança
Ver artigo

Mas os selos não foram vendidos apeanas no OLX: também a loja online Vossa Store retirou os selos que tinha à venda em vários tamanhos (entre 4,99€ e 12,99€) após o contacto do "Público". Os produtos faziam-se acompanhar de uma ficha técnica com a apresentação promocional da classificação pelo Turismo de Portugal, entidade que afirmou desconhecer “até à data” a situação e que reforça que a venda de selos nestas plataformas é ilegal.

“O ‘Clean & Safe’ trata-se de uma marca registada em nome do Turismo de Portugal sendo que a sua utilização só é permitida em casos previamente definidos”, afirmou uma fonte oficial do organismo à mesma publicação.

O setor do turismo foi um dos mais afetados pela pandemia, e existiu a necessidade de conquistar clientes assim que o desconfinamento começou, garantido a segurança dos mesmos nas unidades hoteleiras e de alojamento. E foi assim que surgiu o selo "Clean & Safe", uma classificação do Turismo de Portugal que reconhecia empresas como empreendimentos turísticos, empresas de animação turística e agências de viagem como seguras e sem riscos de contágio pelo novo coronavírus.

O selo tem a validade de um ano, é gratuito e opcional, "embora exija a implementação nas empresas de um protocolo interno em concordância com as recomendações da Direção-Geral da Saúde", escreve o "Observador", de acordo com informações da Agência Lusa.

Subscreva a newsletter da MAGG.
Subscrever

As coisas MAGGníficas da vida!

Siga a MAGG nas redes sociais.

Não é o MAGG, é a MAGG.

Siga a MAGG nas redes sociais.

Fale connosco

Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado.