Depois da polémica com a camisola vendida pela norte-americana Tory Burch por 695€ como de inspiração mexicana quando, na verdade, tem todas as semelhanças com a camisola poveira tradicional de Póvoa de Varzim há mais de 100 anos, a estilista usou a mesma rede social em que foi criticada, o Facebook, para emitir um pedido de desculpas ao final da tarde desta quinta-feira, 25 de março.

Na Póvoa de Varzim, camisola tradicional custa 30€. Estilista pede 695€ e não reconhece origem
Na Póvoa de Varzim, camisola tradicional custa 30€. Estilista pede 695€ e não reconhece origem
Ver artigo

"Pedimos sinceras desculpas aos portugueses — tivemos conhecimento que atribuímos erradamente uma camisola da nossa coleção primavera 2021 como inspirada em Baja, México. Foi um erro não termos feito referência às bonitas e tradicionais camisolas dos pescadores, tão representativas da cidade da Póvoa de Varzim", começou por dizer Tory Burch. A mesma acrescentou que o "erro", como refere, está a ser corrigido e que pretende honrar a camisola com tradição em Portugal.

"Queremos reconhecer ainda mais esta importante tradição e estamos a trabalhar em conjunto com a Câmara Municipal da Póvoa de Varzim para apoiar da melhor forma os artesãos locais", continua a publicação, que termina com um apelo para que todos conheçam a cidade de Póvoa de Varzim através do site online.

De facto, sabe-se que a câmara da Póvoa de Varzim foi contactada "por uma representante legal da marca em Portugal", que disse que a marca Tory Burch estaria disponível "para criar um protocolo que pusesse fim à situação”, avançou o presidente do município, Aires Pereira, ao jornal "Expresso".

O autarca revelou que o problema em causa não é preço a que a camisola foi vendida, sendo que no posto de turismo local não custa mais do que 60€, mas sim o facto de a estilista "utilizar um produto genuinamente feito na Póvoa de Varzim e usá-lo como deles", afirma. Depois de três horas de mais de negociações sem chegar a um “acordo duradouro” (com o objetivo de apoiar a produção das camisolas originais a nível local), o presidente da Câmara da Póvoa de Varzim refere que mantém-se a ideia de um processo judicial por usurpação.

Mais uma vez, na publicação com o pedido de desculpas, não faltaram comentários de portugueses indignados com a atitude da estilista, bem como com as palavras usadas no comunicado que não reconhecem que foi feita uma cópia e falam apenas em inspiração.

"Em Portugal, dizemos: 'as desculpas não se pedem, evitam-se'", pode ler-se numa das publicações, enquanto outra faz referência a mais cópias de criações portuguesas feitas pela artista. "Copiaram também a loiça do Bordallo Pinheiro? Tory, se queres copiar criações portuguesas, inspira-te na loiça da Caldas!", diz um internauta.

Isto porque além da camisola poveira lançada recentemente, ao que parece Tory tinha lançado louças com as mesmas características da marca Bordallo Pinheiro em Portugal.

O presidente da junta poveira, Ricardo Silva, já se pronunciou sobre o caso e disse à SIC que aquilo que a estilista norte-americana fez é “um crime muito grande” e "é lesar a nossa identidade", desde logo pelo uso do brasão português.

A camisola que começou por ser vendida no site com o nome "Baja Inspired Sweater" e passou para "Sweater Tunic" após as primeiras criticas, agora tem uma nova designação: "Póvoa De Varzim-Inspired Sweater" (algo como camisola inspirada na Póvoa de Varzim).

PÓVOA DE VARZIM-INSPIRED SWEATER
PÓVOA DE VARZIM-INSPIRED SWEATER créditos: toryburch

Subscreva a newsletter da MAGG.
Subscrever

As coisas MAGGníficas da vida!

Siga a MAGG nas redes sociais.

Não é o MAGG, é a MAGG.

Siga a MAGG nas redes sociais.

Fale connosco

Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado.