As teorias da conspiração sobre o que aconteceu a 31 de agosto de 1997, em Paris, sucedem-se. Há quem diga que a culpa da morte da princesa Diana tenha sido do motorista (cujos exames mostraram a presença de álcool e drogas), dos paparazzis que perseguiam o carro e até do Buckingham Palace, que dizem ter mandado matar a princesa do povo.

As testemunhas Robin e Jack Firestone acreditam nesta última teoria. Naquele ano, o casal tinha ido passar férias a Paris e naquele fatídico dia encontravam-se a caminho do hotel num táxi que passou pelo túnel Pont de l’Alma minutos depois da colisão.

Nessa altura terão visto dois Mercedes S280 “formais e estranhamente estacionados”, conforme contam ao “Express”. Apenas no dia seguinte se aperceberam que a mulher que estava dentro do carro era de facto a princesa Diana.

O casal Firestone acredita que o acidente de viação foi premeditado

Contam que, no dia seguinte, procuraram a polícia francesa para oferecer os seus testemunhos e reportar a insólita situação com os carros mistério. “Fomos até à polícia e dissemos: ‘Nós estávamos no túnel ontem à noite e precisamos de falar sobre as coisas estranhas que vimos’”, contou Robin. Segundo a própria, a polícia terá respondido que tinham testemunhas suficientes e que não seriam necessárias mais.

“Ficámos chocados. Uma das mais famosas mulheres do mundo foi morta e eles não queriam falar com as testemunhas”, acrescentou. O casal acredita que não foi ouvido pelas polícias francesa e britânica porque o seu testemunho levantava suspeitas e era controverso.

Meses mais tarde, os Firestone foram contactados por Mohamed Fayed, pai de Dodi, que ia com a princesa no carro e que também acabou por morrer. Por acreditar que o filho e a princesa tinham sido assassinados, Fayed convocou o casal para uma reunião com a sua equipa legal em Nova Iorque. Porém, requerimento para falar com o juiz do caso, Scott Baker, acabou por não dar nenhum resultado.

Morte da princesa Diana transformada em atração no Tennessee
Morte da princesa Diana transformada em atração no Tennessee
Ver artigo

“Ainda hoje vivemos com medo de represálias pelo que vimos e pelo que nos foi dito. Não acredito que a morte de Diana tenha sido um acidente, e a ação das autoridades faz-me crer cada vez mais nisso. Todo o acidente de viação foi uma coisa estabelecida”, atira Robin. “Espero que um dia William e Harry queiram apurar responsabilidades e descobrir o que realmente aconteceu com a mãe”, remata.

O marido Jack estará alegadamente a falar com companhias de produção para tornar o seu livro, “Chasing Diana”, num filme.

Newsletter

A MAGG é uma revista digital pensada para mulheres e focada nas preocupações centrais da vida de cada uma. Falamos de tudo o que está a acontecer de forma descontraída mas rigorosa.
Subscrever

Notificações

A MAGG é uma revista digital pensada para mulheres e focada nas preocupações centrais da vida de cada uma. Falamos de tudo o que está a acontecer de forma descontraída mas rigorosa.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.

Fale connosco

Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado.