Pode haver quem pense que seja um milagre de Deus, quem ache que alucinou ou que o mundo ia acabar. Mas há uma explicação para o impressionante fenómeno raro que aconteceu a 21 de agosto nos céus do sul da China, mais precisamente na província chinesa de Hainan.

O céu encheu-se das cores do arco-íris por cima de uma nuvem perfeita, denominada cumuliforme. À nuvem arco-íris dá-se o nome de nuvem pileus, ou lenço de nuvem, que se forma quando o ar sobe rapidamente na corrente ascendente de uma cumuliforme, causando um consequente arrefecimento e condensação da humidade.

A nuvem que fica acima da cumuliforme ganha então as cores do arco-íris quando a luz do sol é refletida em várias direções pelas gotas de água que estão na atmosfera.

Sabia que as toalhas têm validade? 5 explicações para fenómenos do dia-a-dia
Sabia que as toalhas têm validade? 5 explicações para fenómenos do dia-a-dia
Ver artigo

Por outras palavras: a nuvem pileus é uma "nuvem acessória de pequena extensão horizontal, em forma de gorro ou capuz, acima do topo ou presa à parte superior de uma nuvem cumuliforme que muitas vezes a penetra", explica o Atlas internacional de Nuvens da Organização Meteorológica Mundial (OMM).

Contudo, antes da explicação científica, muitas dúvidas surgiram por parte de quem viu tudo a acontecer no céu da cidade de Haikou. Obviamente que o fenómeno foi registado e partilhado no Twitter.

Há coisa mais bonita?

Quem não sabia o que estava a acontecer comentou não só a beleza, como brincou com a situação.

"Que beleza é a natureza", diz um comentário. "Vi a luz", lê-se numa publicação. "Isto é insano. Como se um arco-íris e uma nuvem tivessem tido um bebé", compara outro internauta de forma divertida.

"Se tivesse visto isto e estivesse em casa sozinho, de certeza que teria pensado que os raptores vieram, foram e que Deus deixou-me", escreveu outro. "Este é o tipo de coisas que cria religiões", diz mais um comentário.

As coisas MAGGníficas da vida!

Siga a MAGG nas redes sociais.

Não é o MAGG, é a MAGG.

Siga a MAGG nas redes sociais.

Fale connosco

Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado.