Tem 12 anos, chama-se Ashley Lammin, nasceu rapaz e é agora uma das crianças transgénero mais novas no Reino Unido a iniciar tratamentos com bloqueadores hormonais para travar a puberdade. Segundo a mãe, Ashley soube desde os 3 anos de idade que se sentia mulher.

A notícia é avançada pelo jornal britânico "The Telegraph", que diz que a criança está a ser acompanhada numa clínica especializada para que a transição decorra sem problemas e sempre em linha com aquilo que são os desejos da jovem que, aos 8 anos, mudou o nome de Ashton para Ashley.

À mesma publicação, Terri Lammin, mãe de Ashley, revela que a filha sempre fez saber que se sentia mulher desde o momento em que aprendeu a falar. "Quando ela tinha 3 anos, disse-me: 'Só sou um rapaz porque me deste um nome masculino. A culpa é tua.' Lembro-me de me sentir horrível naquele momento porque ela me culpava."

21 perguntas que sempre quis fazer a uma transexual
21 perguntas que sempre quis fazer a uma transexual
Ver artigo

"Nunca tinha passado por uma coisa destas e, por isso, deixei-me ir. Só pensava: 'Se ele [agora ela] está feliz, isso é o que mais importa", continua.

Ashley vai agora começar a tomar bloqueadores hormonais, um tratamento que durará até fazer 18 anos. Depois disso, o próximo passo será decidir se avança ou não com a cirurgia requerida para a mudança de sexo.

Ainda ao "The Telegraph", Ashley diz que o processo é longo: "O caminho até chegar onde quero é longo e ainda só comecei a caminhar. Mas já sinto uma sensação de vitória em tudo o que tenho conseguido".

Segundo a mesma publicação, Ashley tem pesquisado sobre todo o processo e não nega a possibilidade de, mais tarde, requerer um transplante de útero para que possa vir a ser mãe.

Newsletter

A MAGG é uma revista digital pensada para mulheres e focada nas preocupações centrais da vida de cada uma. Falamos de tudo o que está a acontecer de forma descontraída mas rigorosa.
Subscrever

Notificações

A MAGG é uma revista digital pensada para mulheres e focada nas preocupações centrais da vida de cada uma. Falamos de tudo o que está a acontecer de forma descontraída mas rigorosa.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.

Fale connosco

Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado.