Da reunião entre António Costa e a Ordem dos Médicos, que decorreu na residência oficial do primeiro-ministro e durou mais de duas horas e meia, resultou um apaziguar dos ânimos após a polémica em que Costa chamou, em off, "cobardes" aos médicos depois de numa entrevista ao jornal "Expresso".

No final da reunião, o bastonário da Ordem, Miguel Guimarães, falou aos jornalistas, que não tiveram direito a fazer perguntas no final. Miguel Guimarães garantiu que o primeiro-ministro “transmitiu de forma clara respeito e confiança pelos médicos portugueses” e não insiste na polémica que levou à reunião convocada de urgência. “Temos de prevenir segunda onda” e "contar com proteção às pessoas mais desprotegidas”, nomeadamente nos lares, referindo-se à época do outono/inverno que se aproxima e deve ser alvo de atenção.

Jornal "Expresso" assume ter enviado gravação polémica de António Costa para duas televisões
Jornal "Expresso" assume ter enviado gravação polémica de António Costa para duas televisões
Ver artigo

Seguiu-se o primeiro-ministro a prestar declarações à comunicação social. "Quero agradecer a oportunidade de ter tido uma conversa franca e útil no que diz respeito ao contributo que a OM tem dado, mas também à actuação do SNS na resposta à pandemia e aos lares em concreto", disse, acrescentando ainda: “Um idoso internado num lar não deixa de ser um cidadão português”, acrescentou.

Ainda sobre a situação de Reguengos de Monsaraz, António Costa refere que conseguiu "esclarecer a forma como o estado agiu e reagiu sobre a situação do Lar de Reguengos em concreto". Costa disse ainda que "não há um mundo sem falhas, mas mais do que apontar o dedo temos de tentar responder às realidades que existem".

O primeiro-ministro destacou que fica satisfeito por, espera, o bastonário ter saído da reunião “sem a menor dúvida sobre consideração e apreço que tenho pelos médicos e pelo seu trabalho", diz. “Espero que todos os mal-entendidos estejam esclarecidos. Acho que testemunhou de forma inequívoca o meu apreço e consideração pelos médicos portugueses”.

Jornal "Expresso" assume ter enviado gravação polémica de António Costa para duas televisões
Jornal "Expresso" assume ter enviado gravação polémica de António Costa para duas televisões
Ver artigo

António Costa acalma assim a polémica que ficou acesa depois de ter sido divulgada a gravação com cerca de sete segundos enviado pelo jornal "Expresso" para duas televisões. "Os microfones usados na entrevista foram desligados, mas, por lapso, o microfone interno da câmara não — pelo que ficou em fundo o som da conversa off the record, reservada, que o primeiro-ministro teve com os jornalistas presentes na entrevista", explicou o jornal em comunicado oficial publicado esta segunda-feira, 25 de agosto.

Subscreva a newsletter da MAGG.
Subscrever

As coisas MAGGníficas da vida!

Siga a MAGG nas redes sociais.

Não é o MAGG, é a MAGG.

Siga a MAGG nas redes sociais.

Fale connosco

Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado.