Felicidade na sexualidade, na saúde, nos tribunais, na música ou no trabalho são apenas algumas das áreas que este novo mini curso da Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa vai abordar.

Criado pelo Instituto de Ciências Jurídico-políticas desta universidade, com coordenação científica de Miguel Prata Roque, este curso "pretende cruzar o saber próprio da ciência jurídica – em especial, do Direito Constitucional e da Ciência da Administração – com outras fontes de saber científico, com vista a avaliar em que medida é que o bem jurídico 'felicidade' pode ser garantido e incrementado, através de políticas públicas amigas do bem-estar e do desenvolvimento pessoal", lê-se no site. 

Em entrevista à TVI no programa "Esta Manhã", Miguel Prata Roque explicou que "o objetivo do curso é mesmo obrigar os juristas a refletirem sobre como é que as políticas públicas e o direito se devem adequar para fazer as pessoas felizes em cada uma destas dimensões da sociedade". Assim, o curso não se destina apenas a alunos da faculdade nem a pessoas licenciadas em Direito, mas a todos os que se interessem pelo tema.

O presente que deixa feliz quem recebe e com inveja quem dá: vouchers de hotéis partir de 15€
O presente que deixa feliz quem recebe e com inveja quem dá: vouchers de hotéis partir de 15€
Ver artigo

Com início a 21 de março e fim a 6 de abril, o curso é dividido em 13 lições que serão lecionadas por especialistas diversificados, sempre acompanhados pela Coordenação Científica de modo a assegurar o cruzamento entre a Ciência Jurídica e as especialidades científicas abordadas por cada um deles.

Para se inscrever, basta preencher o formulário com os seus dados pessoais no site e efetuar o pagamento. O curso tem o custo total de 450€ e será lecionado às segundas-feiras e terças-feiras em horário pós-laboral (das 18h30 às 21h45). "Como ser Feliz em 13 lições" decorre em regime presencial com possibilidade de assistir à distância através da plataforma Zoom.

Subscreva a newsletter da MAGG.
Subscrever

As coisas MAGGníficas da vida!

Siga a MAGG nas redes sociais.

Não é o MAGG, é a MAGG.

Siga a MAGG nas redes sociais.

Fale connosco

Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado.