Não, não é a história do filme Terminal. A personagem principal também não é Tom Hanks. Esta é a história verdadeira de um homem que está preso há 6 meses no aeroporto de Kuala Lumpur, na Malásia. E o pior? Para sair ainda vai ter de esperar mais 26 meses.

Hassan al-Kontar é um sírio residente nos Emirados Árabes Unidos, onde tinha uma vida normal, com um emprego e uma casa. Em 2011, quando a guerra na Síria começou, foi chamado para fazer parte do Exército sírio, mas recusou-se a voltar ao seu país, porque não queria fazer parte desta guerra.

Começou por ser procurado pelo governo sírio e mais tarde as autoridades dos Emirados quiseram deportá-lo. Após protestar, e insistir contra o facto de ter de voltar para o seu país, foi enviado para a Malásia, um dos países que concederam vistos a que fugiu à guerra da síria, mas sem lhes conceder o estatuto de refugiados. Depois de três meses na Malásia (tempo máximo do visto), encontrou apenas uma solução: tentar mudar-se para um país que deixasse entrar sírios sem vistos.

Testes de higiene detetam vários vírus nos tabuleiros da zona de controlo dos aeroportos
Testes de higiene detetam vários vírus nos tabuleiros da zona de controlo dos aeroportos
Ver artigo

Comprou passagem para o Cambodja, onde foi mandado de volta. Gastou o resto do seu dinheiro a comprar um bilhete para o Equador, mas a Turkish Airlines não o deixou embarcar porque a validade do seu passaporte tinha acabado. Não podia sair nem entrar em qualquer país, por isso foi forçado a ficar preso no Aeroporto de Kuala Lumpur.

Há mais de 180 dias que Hassan está preso neste aeroporto, não respira ar fresco, ou dorme numa cama confortável, o banho que toma é de água fria no lavatório da casas de banho destinada a deficientes motores. Perdeu o casamento do irmão mais novo e apenas três refeições diárias lhe são providenciadas pela AirAsia. De manhã, ao lanche e ao jantar, sempre a mesma comida — arroz com frango.

A única maneira de sair do aeroporto é mudar-se para o Canadá. Um grupo de voluntários está a tentar que Hassan consiga entrar no país como refugiado, inclusivamente já lhe arranjaram um responsável, um trabalho e preencheram a primeira candidatura para o fazer. E foi aceite. Só lhe falta a segunda aprovação para se mudar, que chega dentro de 2 anos e 2 meses.

Os 10 esquemas mais usados para o roubar ou enganar no aeroporto
Os 10 esquemas mais usados para o roubar ou enganar no aeroporto
Ver artigo

Enquanto prisioneiro, e sem grande opção de escolha, vive no Terminal 2 do Aeroporto, onde conhece pessoas de todo o mundo que vão passando e partilham fotos com ele. Hassan tem ainda uma conta de twitter onde partilha todas as suas aventuras.

Subscreva a newsletter da MAGG.
Subscrever

As coisas MAGGníficas da vida!

Siga a MAGG nas redes sociais.

Não é o MAGG, é a MAGG.

Siga a MAGG nas redes sociais.

Fale connosco

Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado.