As Feiras da Ladra, do Relógio e das Galinheiras vão deixar de funcionar a partir desta quinta-feira, 25 de junho, devido ao aumento de casos de infeção de COVID-19 na região de Lisboa e Vale do Tejo. É mais um passo atrás depois do desconfinamento. A decisão foi tomada pela Câmara Municipal de Lisboa (CML) como consequência da resolução do Conselho de Ministros que, aprovada na segunda-feira, 22 de junho, impôs novas restrições a algumas das freguesias mais afetadas pelo vírus.

"Em sequência da resolução nº 45-B/2020 do Conselho de Ministros, de 22 de junho, está interdita a realização de feiras na área do Município de Lisboa. Esta medida implica o cancelamento das feiras do Relógio, da Ladra e das Galinheiras", revelou a CML em comunicado enviado à Rádio Renascença.

No mesmo comunicado, a entidade responsável pela decisão adianta que a suspensão das feiras vai vigorar até que seja dada indicação em contrário — que só será feita depois de uma "nova avaliação".

Vacina contra a COVID-19 pode não funcionar nas pessoas mais velhas
Vacina contra a COVID-19 pode não funcionar nas pessoas mais velhas
Ver artigo

A notícia surge no mesmo dia em que o Governo de António Costa admite voltar a implementar o dever cívico de recolhimento obrigatório nas 19 freguesias da região de Lisboa e Vale do Tejo. Essa medida deverá ser aprovada esta quinta-feira na nova reunião de Conselho de Ministros, segundo avança o jornal "Público".

O objetivo é "melhorar a atuação e o acompanhamento pelos serviços de saúde pública das pessoas com casos ativos de COVID-19, mas também de quem possa estar contaminado por ter contactada com os infetados, mesmo durante o período de incubação do vírus, que pode ir até 14 dias sem se manifestarem sintomas".

No fundo, procura-se, assim, "travar o crescimento da contaminação comunitária e potenciar a atuação dos serviços de saúde pública através de restrições que sejam dissuasoras e impeçam comportamentos de risco", escreve o mesmo jornal.

No caso de o dever cívico de recolhimento obrigatório ser aprovado na reunião de Conselho de Ministros, isto implica que, nessas 19 freguesias, só se poderá sair para o estritamente essencial: para trabalhar ou para comprar alimentos e medicamentos.

Newsletter

A MAGG é uma revista digital pensada para mulheres e focada nas preocupações centrais da vida de cada uma. Falamos de tudo o que está a acontecer de forma descontraída mas rigorosa.
Subscrever

Notificações

A MAGG é uma revista digital pensada para mulheres e focada nas preocupações centrais da vida de cada uma. Falamos de tudo o que está a acontecer de forma descontraída mas rigorosa.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.

Fale connosco

Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado.