"Como Presidente da Câmara de Lisboa, quero trazer  aqueles que são a nossa força vital de volta ao centro da cidade à medida que a tornamos mais verde". É assim que Fernando Medina, presidente da Câmara de Lisboa, idealiza o futuro da capital do País, tal como revelou num artigo de opinião no jornal britânico "The Independent" este sábado, 4 de julho. Para Medina, o regresso dessa "força vital", só será possível se se cumprir um objetivo: "Depois do coronavírus, Lisboa vai livrar-se do Airbnb".

Este tipo de alojamento tem ganho expressão em Lisboa nas últimas décadas, ocupando mais de um terço das propriedades no centro da cidade de Lisboa, conforme revela o presidente, acrescentando ainda que "muitos de nossos residentes idosos foram ameaçados de despejo à medida que a pressão aumentava, para converter mais propriedades em alojamentos de férias".

Apesar de reconhecer que esta oferta foi positiva para o turismo, Fernando Medina adianta que também se pagou um “preço social”, diz no artigo. “Os trabalhadores essenciais e as suas famílias são cada vez mais forçados a sair", argumenta, "aumentando os preços de rendas, esvaziando comunidades e ameaçando o caráter único”.

Para fazer face aos problemas apontados, Medina apresenta uma estratégia: "Estamos a trabalhar em estreita colaboração com as empresas privadas que estão a remodelar alguns dos edifícios negligenciados da cidade, para garantir que criam moradias acessíveis muito necessárias no processo”.

Filho de Jaime Gama que costuma apoiar Medina em comentários na rádio recebe 17.003€ por mês da CML
Filho de Jaime Gama que costuma apoiar Medina em comentários na rádio recebe 17.003€ por mês da CML
Ver artigo

O autarca destaca que “nada disso significa que não queremos turismo nem precisamos que os visitantes voltem a Lisboa o mais rápido possível”, mas mostra vontade de fazer as coisas de forma diferente — apontando ainda para uma cidade mais verde e viva da qual "os visitantes acabarão por beneficiar".

No sentido de chegar a esta cidade verde, o presidente da Câmara de Lisboa refere que já está a trabalhar internacionalmente com cidades da rede C40 — um grupo de grandes cidades mundiais empenhada em debater e combater as alterações climáticas — para definir um plano de recuperação verde e justa depois da pandemia. Medina adianta que Lisboa está a apostar em ciclovias e a criar áreas verdes e espaços públicos, onde as pessoas podem socializar e manter-se ativas. 

"Como Presidente da Câmara, estou determinado em criar um futuro melhor a partir da tragédia da pandemia do coronavírus", diz Fernando Medina.

As coisas MAGGníficas da vida!

Siga a MAGG nas redes sociais.

Não é o MAGG, é a MAGG.

Siga a MAGG nas redes sociais.

Fale connosco

Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado.