A 2 de setembro, o jornal local "Nottingham Post" noticiava o assalto à casa de John e Carolyn Radformd, na Quinta do Lago,  depois do acontecimento ter sido descrito nos stories do Instagram pela presidente do clube de futebol Mansfield Town, da segunda liga inglesa.

Duas semanas depois, Carolyn volta a ser notícia, agora nos meios de comunicação social portugueses, ao voltar a relatar o fatídico assalto de que foi vítima a 2 de agosto, e que, além de a ter deixado "traumatizada e devastada", lhe levou cerca de um milhão de euros em jóias e relógios.

A história de Carolyn Radford quase podia ter saído da série da Apple TV + "Ted Lasso", de tantas semelhanças que tem com a de Rebecca Welton, a mulher que se torna presidente do clube AFC Richmond após o divórcio do marido multimilionário. Tanto na ficção como na realidade, as duas mulheres, loiras, vistosas e em posições de poder ocupadas anteriormente por homens, encontram obstáculos, preconceito e misoginia.

Carolyn tornou-se presidente do Mansfield Town FC em 2011, tendo sido nomeada pelo então namorado (agora marido) John Radford. Tinha apenas 29 anos. Na altura, o empresário de 45 anos negou que a amizade com a jovem estivesse relacionada com a nomeação e não confirmou o envolvimento com Carolyn. Johm acabaria por pedir Carolyn em casamento duas semanas depois da nomeação, de acordo com o "Daily Mail".  Natural de Doncaster, John Radford fundou a empresa de seguros One Call Group em 1995. Em 2010, comprou o clube de futebol, comprometendo-se a investir 500 mil libras (576 mil euros).

Advogada, formada na Universidade de Durham, Carolyn teve de lidar com comentários sexistas e misóginos, num universo composto maioritariamente por homens. "Foi avassalador. Ser jovem, relativamente atraente e mulher, tudo isso jogou contra mim. Fui transformada numa caricatura e disseram-se as piores coisas que podem ser ditas sobre ser mulher. As pessoas chamavam-me bimba", contou em entrevista ao "The Guardian", em 2017.

Carolyn refletia também sobre a misoginia dominante no mundo do futebol, e explicava que nem o facto de ser presidente do clube evitava situações de discriminação de outros dirigentes. "Em dias de jogo vamos aos gabinetes dos outros clubes e, muitas vezes, eles dirigem-se apenas ao meu marido, e não sou eu a ser paranóica. Há muitos comentários casuais, como 'espero que se porte bem hoje', ou 'olhe para si, está tão bonita', dito de forma maliciosa. Coisas que nunca seriam ditas a um homem", explicava.

Foi durante a sua presidência que o clube conseguiu subir à segunda liga inglesa, onde se mantém, ocupando atualmente a sétima posição. Em 2018, Carolyn era uma das três mulheres com cargos de liderança no conjunto dos 92 clubes que compõem as quatro divisões de futebol profissional em Inglaterra.

Seguranças retiram Marcelo da praia e isolam-no em hotel após assalto violento
Seguranças retiram Marcelo da praia e isolam-no em hotel após assalto violento
Ver artigo

Em 2019, e porque queriam ter mais tempo para se dedicarem aos filhos (Hugo, de 8 anos e os gémeos Rupert e Albert, de 7), John e Carolyn decidem mudar-se para Portugal. Meses depois, em fevereiro de 2020, em entrevista à revista "Hello!", já na mansão na Quinta do Lago, Carolyn explicava porque é que se tinha mudado de armas e bagagens para o Algarve.

carolyn radford
Uma das imagens da produção fotográfica da revista "Hello!", na mansão do Algarve créditos: Hello!

"Assumi demasiadas responsabilidades. Estamos todas a tentar ser supermulheres e ser tudo para toda a gente — boa amiga, esposa fabulosa, mãe dedicada, boa mulher de negócios. Nenhuma de nós é perfeita e, no entanto, estamos sempre em busca da perfeição. Queremos deixar um legado nos negócios, mas o verdadeiro legado é o esforço e carinho que dedicamos aos nossos filhos, e os meus filhos e a minha família são o mais importante". A presidente do Mansfield Town FC explicava ainda que nunca via os filhos e que esta decisão também esteve relacionada com o facto de querer aumentar a família.

Veja aqui o vídeo da casa de luxo no Algarve

A presença do casal em revistas e jornais ingleses, mostrando as suas propriedades luxuosas, é assídua. Em 2018, o "Daily Mail" mostrava imagens de Barnby Moor Hall, a mansão de dez quartos que demorou cinco anos a ser renovada. Essas imagens, publicadas no Instagram de Carolyn, deixavam antever luxo em todos os pormenores, desde almofadas Chanel e Hermès, ate um candelabro vintage vindo de um antigo teatro de Northampton.

A mansão do século XIX, com piscina interior, ginásio e heliporto, faz parte do património imobiliário do casal, que mostra amiúde uma vida de luxo nas redes sociais (apesar de, contando com o assalto ocorrido no início do mês de agosto, já ter sido vítima de roubos três vezes, uma delas por um grupo especializado em crimes deste género, tendo como alvo propriedades de milionários).

Veja a vida de luxo de Carolyn Radford

As coisas MAGGníficas da vida!

Siga a MAGG nas redes sociais.

Não é o MAGG, é a MAGG.

Siga a MAGG nas redes sociais.

Fale connosco

Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado.