Anos de trabalho por parte de associações, milhares de notícias e informação nos livros e nas escolas parecem não ter sido suficientes para eliminar um problema bárbaro, mas grave: violência doméstica. Anualmente, milhares de mulheres continuam a sofrer física e psicologicamente na relação, e todo o apoio parece pouco.

Para contornar este problema e fazer parte da solução, a IKEA está a tomar medidas. E o objetivo é que outras empresas e pessoas possam tomar medidas. A rubrica da MAGG, feita em parceria com a IKEA e através da qual Ana Garcia Martins (ou A Pipoca Mais Doce, tal como é conhecida), convida especialistas das mais diferentes áreas, foi conhecer a nova iniciativa da empresa para apoiar os mais vulneráveis.

A 8 de março, dia Internacional dos Direitos das Mulheres, a IKEA juntou-se à Comissão para a Cidadania e Igualdade de Género (CIG) para apoiar a reintegração de mulheres vítimas de violência doméstica, através da iniciativa ‘Vozes Silenciosas’. Neste episódio, Ana Garcia Martins falou com Marta Silva, chefe do Núcleo de Violência Doméstica e de Género da CIG, que explicou como funciona a rede de apoio desta associação.

IKEA Talks: O caminho da IKEA na luta pela igualdade e inclusão
IKEA Talks: O caminho da IKEA na luta pela igualdade e inclusão
Ver artigo

Diariamente, a CIG recebe pedidos de ajuda de mulheres, sobretudo entre os 25 e os 55 anos, de todo o território nacional, com quem trabalham na recuperação psicológica, na independência financeira e noutras questões relevantes para a vítima, de forma totalmente gratuita.

Em todo este processo, muitas vítimas são obrigadas a abandonar as suas próprias casas. A IKEA sabe que este espaço é (ou deveria ser) o espaço onde nos sentimos mais seguros, protegidos e livres. Por isso mesmo, a IKEA quer apoiar todas estas vozes silenciadas para que se sintam bem na sua nova morada.

A IKEA faz questão de fazer parte deste processo, contribuindo para que a nova casa destas mulheres se torne num espaço confortável, bonito e seguro. Através de um cartão-presente, poderão visitar as lojas IKEA e decorar da forma que quiserem.

Para que possam viver uma vida independente e mais confortável financeiramente, a IKEA dá acesso direto a entrevistas de emprego nas unidades da IKEA Portugal.

Além disso, explica Maria João Franco, da equipa de Comunicação da IKEA Portugal, a empresa conta com várias outras medidas, como o programa interno ‘Contigo’ que pretende ajudar qualquer colaborador IKEA que necessite de apoio psicológico, financeiro ou que esteja a passar por uma situação de violência doméstica.

Espreite o vídeo para descobrir a Dica Sustentável deste episódio que o pode ajudar a identificar os sinais de pedidos de ajuda das vítimas.

Subscreva a newsletter da MAGG.
Subscrever

As coisas MAGGníficas da vida!

Siga a MAGG nas redes sociais.

Não é o MAGG, é a MAGG.

Siga a MAGG nas redes sociais.

Fale connosco

Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado.