O caso do jovem morto à facada esta quarta-feira, 20 de outubro, na estação das Laranjeiras do Metropolitano de Lisboa não está, para já, a ser tratado como assalto, escreve o jornal "Correio da Manhã". Nesta fase, as imagens captadas pelas câmaras de videovigilância têm sido o grande apoio dos investigadores da Polícia Judiciária (PJ) e é com base nelas que as autoridades terão descartado essa hipótese, diz o jornal.

Não se tratará de um crime aleatório. Uma das linhas de investigação ainda em aberto dá conta da possibilidade de o grupo de jovens se ter conhecido nas redes sociais, entre trocas de comentários e desafios de internet.

Não seriam amigos, mas rivais, e o encontro na estação do Metropolitano poderá ter-se tratado de uma situação de ajuste de contas, escreve a mesma publicação. A vítima sofreu uma facada no pescoço ainda na rua e outra nas costas, já no átrio da estação, depois de ter sido perseguido pelos agressores.

Jovem morre na estação de metro das Laranjeiras após ser esfaqueado
Jovem morre na estação de metro das Laranjeiras após ser esfaqueado
Ver artigo

As gravações a que a PJ já teve acesso mostram o momento dos dois golpes. Em ambos os momentos, as pessoas que rodeiam o jovem são sempre as mesmas — dois homens e uma rapariga, que foram filmados a fugir da estação.

A faca usada para tirar a vida ao jovem de 19 anos foi levada por um dos intervenientes.

Com base na linha de investigação em cima da mesa até à noite desta quarta-feira, 20, as autoridades responsáveis por investigar o caso suspeitam que a vítima poderá ter sido chamada à estação das Laranjeiras para uma espécie de armadilha, diz o "Correio da Manhã". Os agressores ainda não foram encontrados.

Depois de o alerta ter sido dado poucos minutos depois das 13 horas, a estação esteve fechada até às 17h30 para que as equipas forenses da PJ pudessem recolher todas as provas necessárias à resolução do crime.

Subscreva a newsletter da MAGG.
Subscrever

As coisas MAGGníficas da vida!

Siga a MAGG nas redes sociais.

Não é o MAGG, é a MAGG.

Siga a MAGG nas redes sociais.

Fale connosco

Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado.