Três jovens invadiram durante cinco horas o "Cacine", um navio patrulha da Marinha, atracado em Almada, e colocaram um vídeo com cerca de 21 minutos no YouTube. O caso foi denunciado pela Marinha à Polícia Judiciária Militar, avança o "Correio da Manhã".

Os jovens designam-se no vídeo como "exploradores urbanos" e dizem que se trata de um "navio da Marinha abandonado, quase intacto". A intenção, relata um deles, era passar a noite dentro da embarcação. 

O navio em causa pertence à Armada, embora esteja já desativado, desarmado e abatido. "Estando desarmado e abatido, o navio não dispõe de guarnição nem de vigilância permanente", revela uma fonte oficial da Marinha ao jornal, adiantando que "a Base Naval de Lisboa realiza frequentes visitas ao local".

Os próprios jovens, depois de entrar no navio, afirmam que há vigilância no local. "Pessoal, temos de ter muito cuidado porque o segurança está sempre a fazer a ronda e não queremos problemas. Então, vamos começar a explorar o navio", disse um deles.

Ex-namoradas acusam-se uma à outra sobre quem é a culpada do assassinato macabro de Diogo, no Algarve
Ex-namoradas acusam-se uma à outra sobre quem é a culpada do assassinato macabro de Diogo, no Algarve
Ver artigo

Ainda no vídeo, é possível ver os três jovens a percorrer todos os compartimentos e a mexer em documentos deixados no navio. No entanto, de acordo com a fonte oficial da Marinha, toda a documentação "com interesse técnico e histórico" foi retirada quando o navio foi para abate.

O navio "Cacine" está "atracado nas instalações da Margueira", diz a Marina, zona onde funcionaram os estaleiros da Lisnave e que é usada para "guardar" navios à espera de venda para sucata.

Um episódio semelhante a este já havia acontecido em 2018 quando um grupo de jovens invadiu o submarino ‘Delfim’ e colocou o vídeo na internet.

Subscreva a newsletter da MAGG.
Subscrever

As coisas MAGGníficas da vida!

Siga a MAGG nas redes sociais.

Não é o MAGG, é a MAGG.

Siga a MAGG nas redes sociais.

Fale connosco

Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado.