Esta quarta-feira, 2 de junho, através de uma publicação partilhada na rede social Facebook, a Junta de Freguesia da Azambuja anunciou que terá em consideração para a contração de artistas o facto destes serem ou não a favor das touradas. "Comunica-se que em todo e qualquer espetáculo que eventualmente venha ainda a realizar-se este executivo terá em consideração na escolha dos artistas o facto de os mesmos se terem ou não manifestado contra as nossas tradições!", pode ler-se.

A partilha surge depois de esta segunda-feira, 31 de maio, ter sido divulgado que mais de 240 personalidades nacionais (atores, escritores, jornalistas, músicos, humoristas, coreógrafos, cantores, cientistas, entre outros) se juntaram à ONG Animal e assinaram uma carta a pedir a revisão do contrato de concessão do serviço público de rádio e de televisão entre o Estado e a RTP, pedindo que se acabe com a transmissão de touradas neste mesmo canal.

Azambuja
créditos: Instagram

A carta, dirigida ao ministro das Finanças, João Leão, e ao secretário de Estado do Cinema, Audiovisual e Media, Nuno Artur Silva, referia que se a revisão for feita, "poderemos finalmente ter uma televisão pública livre da transmissão de espetáculos que se baseiam na violência contra animais e normalizam tais comportamentos, como, por exemplo, sucede na tauromaquia".

Entre os apoiantes da causa encontram-se nomes como Nuno Markl, Diogo Faro, Diogo Piçarra, Ana Galvão, Bárbara Bandeira, Nuno Lopes, Eunice Muñoz, Rui Maria Pêgo, Sara Sampaio, Helena Isabel, Paulo de Carvalho, Agir, entre outros.

RTP confirma que touradas não fazem parte da grelha do canal para 2021
RTP confirma que touradas não fazem parte da grelha do canal para 2021
Ver artigo

Após a partilha da Junta de Freguesia da Azambuja, foram já vários os que se mostram indignados com a situação. "Um artista ter uma opinião contra as touradas vale lista negra na Azambuja. Não tinha nada marcado para lá, mas posso dizer desde já a todos os azambujenses que apreciem o meu trabalho que serão sempre bem vindos nos meus espetáculos, sejam eles onde forem", escreveu Nuno Markl esta quinta-feira, 3 de junho.

"Pelos vistos para os artistas poderem trabalhar na Azambuja é proibido ter opinião própria ou qualquer sentido crítico. Pelo menos há a enaltecer a transparência, o resto é uma vergonha mesmo", partilhou também na rede social Instagram a deputada Cristina Rodrigues.

Diogo Faro foi um dos artistas que também não ficou indiferente à situação. "A presidente da Junta de Freguesia da Azambuja deve estar a confundir o seu cargo público com a gerência de uma qualquer tasca, com certeza. Arroga-se no direito de escolher ou vetar artistas consoante a opinião que estes tenham sobre touradas. Bastante risível", começou por escrever o humorista.

"Nem sequer me vou alongar sobre o estágio civilizacional em que ainda estamos que permite que não só continuem a existir touradas, como haver pessoas que tiram prazer de torturar - e ver torturar - animais. Mas que isso seja ainda 'espetáculo' apoiado com dinheiro de todos os contribuintes é tão absurdo como embaraçoso para o país", continuo, referindo que assinava a carta em questão as vezes fossem necessárias.

Subscreva a newsletter da MAGG.
Subscrever

As coisas MAGGníficas da vida!

Siga a MAGG nas redes sociais.

Não é o MAGG, é a MAGG.

Siga a MAGG nas redes sociais.

Fale connosco

Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado.