Do River Plate ao Benfica, passando pelo Atlanta e pelo Roma, Claudio Caniggia foi decisivo em momentos como a final da Copa do Mundo em 1990, quando a seleção argentina eliminou a equipa brasileira. A velocidade que tinha em campo, herança da carreira no atletismo, valeu-lhe apelidos como "filho do vento" ou "o pássaro".

O jogador de futebol de 52 anos fez 23 jogos com o Benfica, entre 1994 e 1995, onde marcou oito golos pelo clube. Jogou também ao lado de ícones como Diego Maradona e juntos celebraram o golo do jogador no clássico entre as equipas Boca e River com um beijo na boca — reconhecido como "o beijo da alma".

'El beso del alma' deu-se entre Maradona e Caniggia em julho de 1996

O atacante saiu de campo em 2004, mas nunca deixou de ser notícia — sobretudo devido às acusações da mulher, Mariana Nannis. Este domingo, 25 de agosto, a modelo argentina deu uma nova entrevista onde contou que o ponta de lança mantém uma relação com uma prostituta, Sofia Bonelli, e que ambos estão viciados em droga.

Seleção feminina dos EUA transforma processo de discriminação de género em confetes
Seleção feminina dos EUA transforma processo de discriminação de género em confetes
Ver artigo

Vamos contextualizar. Há três décadas, Caniggia casou-se com Mariana Nannis, uma modelo argentina. Desta relação tiveram três filhos: Kevin Axel, Alexander Dimitri e Charlotte Chantal. Os problemas entre o casal começaram com as supostas infidelidades do jogador — em 2012 Mariana contratou um detetive privado, uma vez que suspeitava de algumas atitudes do marido. Foi nessa altura que alegadamente descobriu que era traída. Em 2017 abordou publicamente o assunto, dizendo em entrevista que sabia que o marido lhe era infiel.

"Mas já descobriu uma traição?", perguntou a apresentadora de televisão argentina Susana Giménez. "Sei que o Claudio me traiu", respondeu Mariana Nannis, 51 anos. Quando questionada sobre o que fez a seguir, respondeu: "Coloquei as contas em meu nome, gastei dinheiro e outras coisas. Fiz-lhe uma proposta e ele aceitou porque disse: 'Estás a ir embora, vais-me deixar'." 

Dois anos depois, Mariana Nannis voltou a sentar-se com Susana Giménez. Agora, além da questão da infidelidade, acusou também o marido de violência doméstica, de consumir drogas e de recorrer a prostitutas.

Estas declarações surgem na sequência de vários rumores sobre uma alegada separação do casal — em julho, fontes próximas ao casal, como o motorista e o advogado do jogador de futebol, tinham afirmado que o casamento tinha chegado ao fim. A imprensa avançava que Caniggia mantinha uma relação com Sofía Bonelli, supostamente amante do ex-jogador de futebol da Seleção Argentina.

Mariana Nannis garante que isto não é verdade: "Não estou separada do meu marido, nem me divorciei. Ele está com uma prostituta, uma viciada, que o mantém drogado o dia todo. Vão todos presos”.

Perante o ar atónito de Susana Giménez, Mariana Caniggia recordou um casamento alegadamente marcado pelo sofrimento. Um dos episódios mais dramáticos aconteceu, de acordo com a modelo argentina, no hotel Faena. O ex-jogador de futebol disse à mulher que tinha um jantar, mas que iria sozinho para que ela "não o incomodasse". Saiu às 21 horas e regressou às 4h30 da manhã. "Quando lhe perguntei porque é que ele estava a chegar àquelas horas, se tinha saído às 21 horas, enlouqueceu."

Segundo Mariana, Claudio Caniggia começou a agredi-la. "Eu fui levada, bati nas paredes, ele disse-me que eu não era ninguém. Depois fui para o quarto, comecei a olhar para uma revista e ele bateu-me com ela, começou a atirar-me a revista para a cara, a dizer: 'Filha da puta, vou-te matar'. Levantei-me como pude, espancada, e fui para a sala de estar." As agressões continuaram.

Quando questionada sobre o porquê de não ter apresentado queixa, a modelo respondeu: "Para quê? Ele conhece pessoas, não há nada a fazer".

De acordo com Mariana, houve vários episódios de agressão ao longo do casamento — e chegou mesmo a mostrar uma foto com golpes no rosto. O alegado vício do marido também foi abordado, com a modelo a garantir que "é muito difícil viver com um viciado". "Eles são muito manipuladores e mentirosos. Estou mentalmente bem, quem está mal é ele. Ele deveria fazer uma rinoscopia [exame ao interior do nariz] e um exame ao sangue, e verificar em que condições é que se encontra".

As polémicas envolvendo a questão do consumo de droga por parte do jogador não são recentes. Em 1993, o avançado esteve afastado dos campos durante 13 meses por alegado consumo de substâncias.

Newsletter

A MAGG é uma revista digital pensada para mulheres e focada nas preocupações centrais da vida de cada uma. Falamos de tudo o que está a acontecer de forma descontraída mas rigorosa.
Subscrever

Notificações

A MAGG é uma revista digital pensada para mulheres e focada nas preocupações centrais da vida de cada uma. Falamos de tudo o que está a acontecer de forma descontraída mas rigorosa.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.

Fale connosco

Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado.