Pilar tem apenas sete anos e já é um fenómeno nas redes sociais. O primeiro vídeo foi partilhado no dia 24 de março deste ano, mas o canal de Youtube, "A minha Pilar", conta já com mais de 2 mil subscritores que todos as semanas fazem questão de ouvir o que a menina tem para contar. Paulo Castanheiro, o pai, foi o grande impulsionador desta brincadeira que tem deixado os portugueses rendidos, e explica à MAGG como tudo começou.

"Na véspera do dia do pai deste ano, que já coincidiu com a altura que estávamos fechados em casa por causa do coronavírus, fomos desafiados pelo grupo do WhatsApp da turma da escola a celebrar a data com um vídeo com uma mensagem", conta Paulo. O vídeo tinha pouco mais de 10 segundos, mas depois de o enviar para a turma decidiu publicá-lo na rede social Instagram e as reações foram imediatas.

No dia seguinte foi Pilar quem pediu ao pai para gravarem outro vídeo e a partir daí nunca mais pararam. "Já não sei dizer quantos dias fizemos, mas penso que perto de 60 dias seguidos", afirma Paulo, referindo que os vídeos ajudavam a passar o tempo em que, devido à pandemia da Covid-19, tinham de estar em casa. Para além disso, o tempo em que Pilar tinha de estar concentrava a gravar e a falar para câmara ajudavam no seu desenvolvimento e na aprendizagem de certos conceitos. "O principal objetivo deste projeto é que ela esteja concentrada em dizer palavras novas. Em termos de terapia da fala isto é uma grande ajuda".

Pilar foi diagnosticada com Síndrome de Down (Trissomia 21) já após o nascimento. "A gravidez foi normal, nunca houve qualquer situação que nos levasse a pensar que a menina tinha trissomia e só ficámos a saber um dia depois do nascimento, tendo em conta alguns traços físicos que esses meninos apresentam", explica Paulo referindo que já se notava algumas diferenças nas mãos, nos pés e até na forma dos olhos, mais rasgados. "Com uma conversa que tivemos com os responsáveis do hospital, na altura, é que soubemos. Não com certeza absoluta, porque a certeza absoluta só chegou umas semanas depois quando foi feito um teste genético".

Apesar de ainda sem certezas, começaram a procurar todo o tipo de ajuda desde o início. "No primeiro ou no segundo dia, não foi uma situação fácil de lidar, mas também não posso dizer que foi um drama porque não foi. Começámos, desde o primeiro dia, a produzir os estímulos na menina com tudo o que podíamos para ela ter as melhores condições de vida". No dia em que tiveram a confirmação já estavam mais do que preparados. "Quando recebemos o teste que comprovava a situação da Trissomia 21 foi uma situação que, para nós, já não foi nenhuma novidade. Já não estávamos à espera que o teste dissesse o contrário", explica Paulo Castanheiro.

Na primeira semana de vida, Pilar começou logo a ser seguida por uma terapeuta, indicada pelo pediatra, que já tinha várias décadas de experiência a lidar com crianças com trissomia e que a acompanhou até aos seis anos. "Ela foi uma orientadora em toda a evolução da Pilar, foi uma ajuda extrema", afirma Paulo.

Para além de todas a consultas e especialistas por quem foi sendo acompanhada ao longo da infância, os pais tiveram ainda um papel fundamente na evolução de Pilar. "Começámos logo a provocar todos os estímulos para ela ter capacidade para evoluir". Todos os dias, de manhã e à noite, Paulo e a mulher estimulavam os movimentos da menina, o que facilitou todo o processo de aprendizagem do sentar ou andar, que pode ser mais difícil para estas crianças.

Também a entrada na escola nunca foi um problema e, com menos de dois anos, Pilar já passava os dias na creche. "Foi para uma escola de meninos normais, com um ensino normal. Ela inseriu-se numa turma e fez a creche toda até entrar este ano para a escola primária", conta Paulo referindo que, certamente, a filha teve um acompanhamento mais dedicado, salientado todo o profissionalismo das professoras e equipa que sempre a acompanharam da melhor forma — "não só a ela como a todos os meninos".

Apesar da mudança grande de passar do infantário para a escola primária, Pilar sai todos os dias feliz de casa para começar mais um dia. "Costuma dizer que é a melhor escola do mundo. Ela é muito divertida e tem muitos amigos", conta o pai. Para além das atividades escolares, Pilar já fez karate, dança, frequenta aulas de natação e iniciou agora também o ballet.

Com o regresso à escola e ao trabalho, a periodicidade dos vídeos passou a ser menor, mas é uma atividade que já não conseguem largar. Dos vídeos amadores de telemóvel, passaram para uma produção mais sofisticada com luzes e até microfones. É Paulo quem trata de toda a produção e edição e ainda que entra em contacto com todos os convidados do canal com quem Pilar já falou.  "A determinada altura sou desafiado pela 'Rádio Comercial', que queriam publicar os vídeos que acharam muito giros. Aí a exposição foi maior e foi um sucesso completo", conta Paulo à MAGG.

No canal, Pilar já recebeu figuras como Marcelo Rebelo de Sousa, José Alberto Carvalho, Ljubomir Stanisic, Nuno Markl, Dino D´Santiago ou Miguel Oliveira e abordou temas de várias categorias. "Conceitos de reciclagem e ecologia, por exemplo, que ela aprendeu na escola e nós ajudamos em casa a ficarem mais sólidos. A alimentação está também muito presente nos vídeos por causa da mãe", explica Paulo referindo-se ao facto da mãe ser nutricionista e de Pilar ter um grande gosto pela comida e também por cozinhar.

Para além dos vídeos, têm ainda ajudado muitos pais de crianças com trissomia 21."Os vídeos ajudam outras famílias e nós ficamos muito contentes com isso. Eu recebo muitas mensagens e procuro responder a todas. Para além do que é publicado nas redes sociais, eu recebo centenas de mensagens privadas e é giro porque recebo feedback tanto de pais de meninos com 3 meses, 9 anos ou de pessoas que até já trabalham. Vai-se criando também amizades com pais de meninos com trissomia", conta Paulo Castanheiro.

Do Youtube e do Instagram passaram também para a televisão. Depois de já ter sido convidada do "Você na TV", em maio, esta quinta-feira, 3 de dezembro, Pilar esteve no programa das manhãs da SIC "Casa Feliz". A pequena youtuber deixou João Baião e Diana Chaves encantados. Depois de uma pequena conversa, Diana perguntou-lhe qual dos convidados tinha gostado mais de entrevistar e a resposta não tardou: Manuel Luís Goucha. Depois desta confissão, Pilar enviou um beijinho em direto a Manuel.

O apresentador da TVI fez questão de agradecer o gesto e partilhou o momento nas redes sociais. "Obrigado Pilar. Também adorei falar contigo. Um beijo. Um beijo também para a Diana e para o João", escreveu da descrição do vídeo no Instagram.

Subscreva a newsletter da MAGG.
Subscrever

As coisas MAGGníficas da vida!

Siga a MAGG nas redes sociais.

Não é o MAGG, é a MAGG.

Siga a MAGG nas redes sociais.

Fale connosco

Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado.