Nos primeiros três meses do ano, as rendas de habitação em Lisboa desceram 1,8%. Enquanto que no Porto se mantiveram estáveis, no resto do País a tendência foi inversa ao registar-se um aumento gradual dos valores. Os dados são da Confidencial Imobiliário, uma empresa especializada em estatísticas do setor, que revela que o valor das rendas em Lisboa têm vindo a sofrer um abrandamento acentuado desde o final de 2017.

Em Lisboa, é a primeira vez que o valor das rendas regista uma descida homóloga em seis anos. É que enquanto até ao final de 2017, a subida homóloga do valor das rendas em Lisboa rondava os 19%, o valor registado no final de 2018 era de 12% que voltou a abrandar 1,4% no final de 2019.

Em termos trimestrais, as rendas de Lisboa desceram 2,3 pontos percentuais nos primeiros três meses de 2020 — um valor que inverte a subida de 1,8% registado no quatro trimestre de 2019. Quanto ao Porto, o cenário é de estabilidade e de pouca variação nos valores das rendas que se mantiveram estáveis nos primeiros três meses do ano com uma variação residual de 0,4%.

Rendas de casa já caíram 20% desde o início da pandemia — e a tendência é continuar a descer
Rendas de casa já caíram 20% desde o início da pandemia — e a tendência é continuar a descer
Ver artigo

“Também no mercado do Porto o valor das rendas habitacionais já tem revelado uma tendência de abrandamento em 2019 face a anos anteriores, embora mantendo um padrão de variações positivas”, avança o jornal "Público", citando os dados apurados pela Confidencial Imobiliário.

No entanto, e no que toca aos valores apurados em todo o território de Portugal Continental, o que se confirma é que o valor das rendas de habitação sofreram uma subida trimestral de 2,9% nos primeiros três meses de 2020 “mantendo o ritmo de crescimento verificado no último ano”, que se posicionou sempre acima dos 2%.

“Em termos homólogos, a subida das rendas foi de 8,2%, em linha com o observado nos dois trimestres anteriores, mas já evidenciando um ligeiro abrandamento face ao padrão de subidas verificado em 2018 e parte de 2019, sempre acima dos 10%“, escreve o mesmo jornal.

Newsletter

A MAGG é uma revista digital pensada para mulheres e focada nas preocupações centrais da vida de cada uma. Falamos de tudo o que está a acontecer de forma descontraída mas rigorosa.
Subscrever

Notificações

A MAGG é uma revista digital pensada para mulheres e focada nas preocupações centrais da vida de cada uma. Falamos de tudo o que está a acontecer de forma descontraída mas rigorosa.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.

Fale connosco

Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado.