A modelo Layla Costa, de 24 anos, que trabalhava há cerca de seis anos com Fátima Lopes, morreu com um ataque cardíaco, de acordo com a autópsia. A informação foi revelada esta sexta-feira, 12 de novembro, pela estilista ao jornal "Correio da Manhã".

"Acabamos de receber a informação da agência que trabalhava com a Layla em Itália de que já saiu o resultado da autópsia. Confirma-se que sofreu um ataque cardíaco", afirmou Fátima Lopes, revelando mais um novo dado inesperado. "A Layla sofria de cardiopatia congénita. Ou seja, ela nasceu com esta doença e nunca nos contou", disse ao mesmo jornal.

Morreu Layla Costa, uma das modelos que trabalhava com Fátima Lopes. Tinha 24 anos
Morreu Layla Costa, uma das modelos que trabalhava com Fátima Lopes. Tinha 24 anos
Ver artigo

A estilista refere ainda que nem as próprias colegas da modelo sabiam que a jovem sofria da doença — que se manifesta por cianose (pele azulada), insuficiência cardíaca, sopro cardíaco ou arritmias —, e que nenhum dos sintomas foi alguma vez sinalizado pela equipa de trabalho.

"Nunca imaginámos que isto pudesse acontecer porque sempre a vimos bem. Nunca aparentou ter qualquer problema", afirmou Fátima Lopes.

Layla Costa foi encontrada morta a 1 de novembro na sua casa em Bolonha, Itália, e até à data suspeitava-se apenas que a causa da morte fosse um ataque cardíaco que aconteceu de forma inesperada, dado que não havia relação outras patologias. A autópsica veio, no entanto, confirmar que a jovem modelo sofia de cardiopatia congénita e que até já tinha desmaiado.

"A agência para quem a Layla estava a trabalhar neste momento em Itália [Face Models] é que nos informou do resultado da autópsia e também nos disse que a Layla já tinha desmaiado", disse ainda Fátima Lopes. Sabe-se agora que apenas a família da modelo sabia da condição de saúde e até que o pai já tinha sofrido um ataque cardíaco.

Subscreva a newsletter da MAGG.
Subscrever

As coisas MAGGníficas da vida!

Siga a MAGG nas redes sociais.

Não é o MAGG, é a MAGG.

Siga a MAGG nas redes sociais.

Fale connosco

Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado.