Desde o início do ano 20 mulheres foram assassinadas e outras 25 foram vítimas de tentativas de femicídio em Portugal. Os dados são do Observatório das Mulheres Assassinadas (OMA), o grupo de trabalho da União de Mulheres Alternativa e Resposta (UMAR), anunciados na segunda-feira, 17 de agosto.

Os dados revelados pelo OMA dão conta de "dez femicídios íntimos" ocorridos em contexto de relações de intimidade e de dez homicídios ocorridos noutros contextos — geralmente por motivos financeiros ou como consequência de um assalto ou qualquer outro crime.

Mas a entidade adianta ainda que "mais de metade" das tentativas de homicídio registaram-se entre junho e agosto, ou seja, após o período de confinamento imposto pelo governo devido ao surto da COVID-19 no País.

Morreram mais duas mulheres vítimas de violência doméstica — e já são 35 as vítimas em 2019
Morreram mais duas mulheres vítimas de violência doméstica — e já são 35 as vítimas em 2019
Ver artigo

Mas depois do período de análise, já aconteceram mais dois homicídios de mulheres em contexto de violência doméstica. Mas houve também "uma tentativa por motivos de género" e outra devido a fatores financeiros, explica a OMA à Agência Lusa, citada pelo jornal "Público".

"Estes dados revelam a urgência de um investimento numa análise sobre o femicídio e a sua tentativa a partir de um olhar especializado e aprofundado, para prevenir futuros assassinatos", diz o OMA em comunicado oficial.

Subscreva a newsletter da MAGG.
Subscrever

As coisas MAGGníficas da vida!

Siga a MAGG nas redes sociais.

Não é o MAGG, é a MAGG.

Siga a MAGG nas redes sociais.

Fale connosco

Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado.