A humorista Marta Bateira, mais conhecida por Beatriz Gosta, partilhou esta quinta-feira, 29 de abril, um vídeo no qual revelou alguns acontecimentos após o parto de Luiza, que nasceu a 15 de março. A repórter do "5 Para a Meia Noite" revelou que, três dias após o nascimento, temeu pela vida da filha.

"Achando eu que o parto foi a coisa mais difícil do mundo, não foi", começa por dizer o rosto da RTP, explicando tudo o que se seguiu após o parto de Luiza. "Estava a ouvir umas músicas da Capicua e o pai da criança [Daniel Félix] entra no quarto com Luiza nos braços como se fosse um boneco teso, roxo, quase preto. Ela tinha-se engasgado com o bolsar e ficou sem respirar", afirma.

Marta Bateira revela que Capicua, que também estava com o casal, sugeriu que soprasse para a cara da criança. Mas o que trouxe "normalidade" à tez de Luiza foi uma massagem lombar. "Ela começa a ganhar uma cor mais natural, começa a voltar a ela, a respirar e depois teve um ataque de choro", conta.

"Depois do parto, as piores dores são os mamilos"

No mesmo vídeo, a humorista descreveu como foi a primeira vez em que amamentou a filha e em que foi à casa de banho. "Fui caminhando para a casa de banho, sentia que no meu pipi tinha passado ali uma cabeça e um ombro. Nem toquei no pipi, limpei-me assim... rápido. Perdi a dignidade, de fraldas", atira.

Mas há mais. Logo a seguir, Beatriz Gosta teve de amamentar a filha e afirma que esse foi um momento difícil. "Disseram-me que estava muito tensa, ali vergada a dar a mama. Depois do parto, as piores dores são os mamilos", frisa.

"Estava frágil, de cabelo desgrenhado com uma barriga como se estivesse de cinco meses, mama gretada em ferida, fralda cheia de sangue, uma flor de hemorroidas dos puxões do parto e a arrastar a chinela", remata.

Subscreva a newsletter da MAGG.
Subscrever

As coisas MAGGníficas da vida!

Siga a MAGG nas redes sociais.

Não é o MAGG, é a MAGG.

Siga a MAGG nas redes sociais.

Fale connosco

Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado.