António Raminhos foi o grande convidado do quinto vídeocast “É Preciso Ter Lata” de Rita Rugeroni e Pedro Ribeiro. Depois de responder a perguntas como "de quem gostavas de receber um nude" ou qual foi o pior colega com o qual já trabalhou, no fim da conversa, o humorista revelou que apagou o Twitter depois de ter sido apelidado de "pedófilo", devido às piadas que faz com as filhas Maria Rita, de nove anos, Maria Inês, de sete, e Maria Leonor, de quatro.

"Há piadas que eu faço e que sou muito criticado por elas.  Eu apaguei o meu Twitter por isso, quando me começavam a chamar de pedófilo por causa das piadas das miúdas. Diziam que eu sexualizava as miúdas, que elas me iam odiar. Tiraram aquilo fora do contexto então era pedófilo, era tudo e mais alguma coisa e, por isso, deixei de ter Twitter ", afirmou António Raminhos.

António Raminhos reforça equipa da Comercial e vai falar sobre relações entre homens e mulheres
António Raminhos reforça equipa da Comercial e vai falar sobre relações entre homens e mulheres
Ver artigo

Em causa está a publicação feita, em março de 2020, na conta de Twitter (já eliminada) onde o humorista decidiu publicar um excerto de um dos espetáculos cujo título era "Tive filhas e deixei a pornografia", no qual referia que o facto de ter três filhas o impede de ver pornografia.

Foi após esta publicação que se gerou uma onda de criticas ao humorista. "Raminhos...antes de fazeres esta “piada”, pensaste no que é que as tuas filhas vão achar quando crescerem e virem isto?", questionou, na altura, uma internauta. "Não foi a piada mais bem executada do mundo, é verdade, se calhar até um pouco problemática. Agora daí até dizerem que o Raminhos é pedófilo, vai uma grande diferença. Tenham calma e juízo. Ele é uma das pessoas que já presenciei que claramente mais gosta das filhas, e da mulher", defendeu Kiko is Hot.

Numa conversa animada com  Rita Rugeroni e Pedro Ribeiro, António Raminhos admitiu ainda que houve uma piada da qual se arrependeu, tendo mais tarde apagado o vídeo em questão depois de ter sido chamado à atenção por Herman José.  "O Herman manda-me uma mensagem e dizer assim: 'Eu gosto muito das cenas que fazes com as tuas filhas, mas esse está demais. Tira isso'.  Fui ver outra vez e pensei 'está bué abusado'", recorda revelando que apagou. Entre uma conversa sobre "cocó e xixi" com a filha mais velha, Raminhos proferiu a frase "tu vais comer sopa de vomitado de gato com os pelos do pipi da avó", algo que, depois de ser alertado, considerou demasiado "gráfico". "Apaguei. Nunca pus em lado nenhum", acrescentou.

António Raminhos fala sobre ansiedade. "Não há vergonha nenhuma em pedir ajuda"
António Raminhos fala sobre ansiedade. "Não há vergonha nenhuma em pedir ajuda"
Ver artigo

Relativamente a assuntos como qual o motivo que o leva a aceitar fazer publicidades nas redes sociais, o humorista respondeu: " Eu gosto de fazer publicidade nas redes porque as marcas me dão liberdade para eu fazer o que eu quiser.  Esse é o meu acordo com as marcas. Eu faço, mas tem de ser dentro da minha linguagem e dentro daquilo que eu acho que vai funcionar e, para além disso, não faço com todas as marcas, só faço com marcas com as quais me identifico. Já recusei muito dinheiro à pala disso."

À pergunta " Usas o Transtorno Obsessivo Compulsivo para ter likes?" o humorista respondeu em tom de brincadeira "Sim, mas só posso ter 77 porque se tiver mais de 77 o dia vai correr muita mal". António Raminhos admitiu que fala do transtorno porque percebeu que "há um grande número de pessoas que sofre de ansiedade, que é obsessivo compulsiva, e simplesmente tem vergonha". "Eu comecei a falar disto como se eu fosse homossexual, no sentido em que parece que estou a sair do armário", afirma referindo que considera que está a fazer o que é "óbvio".

Veja aqui o vídeo completo.

Subscreva a newsletter da MAGG.
Subscrever

As coisas MAGGníficas da vida!

Siga a MAGG nas redes sociais.

Não é o MAGG, é a MAGG.

Siga a MAGG nas redes sociais.

Fale connosco

Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado.