"No dia 8 de outubro faz exatamente 19 meses desde que as portas fecharam", recorda José Gouveia, presidente da Associação Nacional de Discotecas (AND). A um dia da reabertura de discotecas e bares, mediante apresentação de certificado digital à entrada, falámos com o responsável do setor e com responsáveis de conhecidos espaços noturnos em Lisboa para perceber como está a ser feito para o regresso e as expetativas para as próximas noites. Traçámos ainda um guia com várias discotecas prestes a abrir e as respetivas festas — tudo o que podemos esperar está aqui.

"A reabertura [das discotecas] é vista com alguma expetativa. Os hábitos mudaram, a política e cultura de noite foram alteradas. Hoje as pessoas gostam de estar num restaurante até mais tarde. Gostam de estar mais na rua", reconhece o presidente da AND. Por esse motivo, alguns espaços que funcionavam apenas como discoteca há quase 19 meses adotaram um regime hibrido durante a pandemia, ou seja, juntam restaurante e animação noturna após o jantar. São exemplos o Mome, que abre portas já esta sexta-feira, 1 de outubro, e do Lust in rio, que só volta na próxima quinta-feira, 7 de outubro — ambos em Lisboa.

A dois, em família ou com amigos na discoteca: o fim de semana prolongado promete
A dois, em família ou com amigos na discoteca: o fim de semana prolongado promete
Ver artigo

Tal como estes, mais bares e discotecas vão abrir portas faseadamente, uma vez que nem todos têm capacidade para abrir já. "Alguns ainda estão a guardar que o estado ceda os apoios para poderem abrir. Estão descapitalizados. Alguns conseguirão abrir já esta sexta-feira e outros vão abrir entre este e o próximo fim de semana, sendo que o grande momento em que haverá mais espaços abertos será na próxima semana", refere José Gouveia.

Há receio, ansiedade, dúvidas sobre como é que as pessoas vão aderir à reabertura, e ao mesmo tempo entusiasmo, diz-nos José Gouveia, mas acima de tudo o presidente da Associação Nacional de Discotecas destaca que é seguro ir às discotecas. "É seguro agora como já era seguro há um mês, quando atingimos 70% [da população vacinada], o valor para a imunidade de grupo", continua.

Já não tem de desesperar pela cerveja fresquinha nos restaurantes: no Dote, pode tirá-la na mesa
Já não tem de desesperar pela cerveja fresquinha nos restaurantes: no Dote, pode tirá-la na mesa
Ver artigo

De acordo com o levantamento das medidas estabelecido pelo governo, os bares e discotecas podem funcionar sem restrições de horário ou lotação, contudo, José Gouveia tem apelado aos operadores para não encherem as discotecas de modo a "transmitir um sentimento de segurança" e para que as pessoas não tenham "aquela sensação claustrofóbica".

Está tudo a postos para reabrir e a MAGG fez um levantamento das discotecas que vão voltar já a partir desta sexta-feira, 1 de outubro, bem como da oferta de animação. Atenção: há noites temáticas e ofertas especiais.

MoMe — 1 de outubro

"19 meses depois, temos encontro marcado na pista de dança do MoMe". Anote a data na agenda e reserve, porque o MoMe, em Lisboa, já fez o anúncio nas redes sociais e dada a lotação limitada é melhor não chegar tarde ao evento. Ah, e também porque este espaço é uma referência em Lisboa e prevê-se uma grande afluência.

"As pessoas estão desejosas de sair, de se divertir, de dançar. As expectativas são as melhores e as pessoas tem muitas saudades do MoMe, que era a casa de referência da noite lisboeta", diz à MAGG Pedro Chuva, dono do MoMe. Tal como as pessoas, o responsável pela discoteca refere que é um momento de felicidade. "Estamos muito felizes por finalmente o nosso sector abrir portas. Estamos desejos e ansiosos por abrir o MoMe e meter sorrisos nos rostos das pessoas. Partilharmos boa música e felicidade".

Isso vai acontecer já esta sexta-feira e o convite é simples: "Vamos dançar", o nome da festa do MoMe planeada para dia 1 de outubro. Ari Girão e Lopez vão dar música na zona do bar e Alekz no club.

Ministerium — 1 de outubro

O Ministerium, na Praça do Comércio (Lisboa), está de volta. "É o primeiro dia de outubro e é também o primeiro dia do fim de um longo pesadelo", escreve a discoteca no Instagram. Para que o pesadelo passe a sonho, o cenário da discoteca vai transformar-se num espaço encantado de diversão. Há um convidado especial londrino, Dj fabric, bem como outros Djs da casa: Subsequent, Claus Voigtmann, Manuel Cotta e Berllioz, que vão garantir animação das 23h30 às 07h.

Lux Frágil — 1 de outubro

"Quem nasceu para ser discoteca nunca perceberá a razão para se despejar leite num café e nunca será mestre em servir um galão sem princípio", anuncia o Lux Frágil numa publicação de Instagram, onde recorda todos os esforços feitos para manter o estabelecimento aberto, num período em que os bares e discotecas foram forçados a fechar portas.

"Voltamos a ser discoteca", confirma Lux Frágil, com a ressalva de que "neste ano e meio não" deixou de o ser. E para marcar o regresso, a 1 e 2 de outubro são vários os nomes em cartaz: Dexter, Rui Vargas, Inês Duarte, entre outros que vão animar as noites do fim de semana a partir das 23h.

Musicbox — 1 de outubro

O Musicbox, em Lisboa, não esteve parado neste último ano e meio — juntou-se ao Coletivo na Casa do Capitão e ao MIL Lisboa no Hub Criativo do Beato —, mas finalmente vai reabrir e com participações especiais. A estrear a pista de dança da sala de concertos e clube noturno vai estar José Pimentão, a partir das 00h, e depois o ator e Dj Nuno Lopes.

"Um ano e meio depois, voltamos à pista para finalmente dançar. Nem consigo acreditar. Nunca desejei tanto que uma noite chegasse", disse o Dj no Instagram, mostrando-se entusiado por estar de volta à noite (ou às manhãs, já que vai animar o espaço até às 6h).

Village Underground Lisboa — 1 de outubro

Para o regresso das discotecas, o Village Underground Lisboa encheu o cartaz de nomes e momentos na sala que volta a poder abrir até de manhã. Para 1 de outubro, estão confirmados os Djs Wrong Island e Caring e depois King Kami com Saint Caboclo. No sábado, a pista vai vibrar com Dj Enkō, Caroline Lethô e John-E. Antes da música dos Djs, pode ver o concerto da banda Foxy Rocket, às 22h. Os bilhetes estão à venda nos site do Village Underground Lisboa.

Noa Social Club — 2 de outubro

Vila Nova de Famalicão vai voltar a abrir a pista de dança já este sábado, 2 de outubro. Vão marcar presença o Dj Tiago Cruz, na pista principal, e o Dj Ruizinho, na área latina. Pode começar por jantar no Noa e prolongar a noite até às 06h na discoteca. E atenção, mulheres: os festejos começam logo na sexta-feira, 1, com uma ladies night que marca o encerramento do Noa Terrace (que só volta no verão de 2022). Contem com shishas, cocktails, gin e Dj.

Kayene — 1 de outubro

Festa branca: um clássico de que tínhamos saudades também está de volta e vai poder vestir-se a rigor numa das festas já planeadas da discoteca Kayene, em Ourém. A white party, com ritmos latinos, está marcada para 2 de outubro, mas a pista de dança abre logo na sexta-feira, 1, com vários Djs, como Dj FΛI e Dj Capton. Como já não estamos habituados a isto, no domingo há uma pausa e a dança retoma a 4 de outubro, véspera de feriado, com Dj FΛI e Dj Merko.

GUIA — 2 de outubro

O que se faz no Alto Minho a 2 de outubro? Vai-se à discoteca para arrasar na pista de dança ao som de Meninos do Rio, bem como dos Djs da casa: Celsus e Jorge Araújo. As portas abrem às 00h (que só pode passar mediante certificado de vacinação, como em qualquer outro bar ou discoteca) e fecham às 06h. São poucas horas para compensar quase 19 meses de fecho, mas que vai poder repetir mais vezes a partir de agora. A primeira data já ninguém tira à discoteca de Arcos de Valdevez.

Fábrika — 2 de outubro

Em Monção, já se estão a fabricar momentos inesquecíveis para a noite de 2 de outubro. A Fábrika vai oferecer animação com música dos Djs Pette, Nuno e Pedro Freitas, e ainda uma bebida a quem tiver guest card (e entrar até às 02h30). Há quanto tempo não ouvíamos falar da guest list de uma discoteca? Pode já começar por esta para entrar de novo no espírito da vida noturna. Reserve a entrada por telefone (919 912 841 /916 816 713).

"Acho que houve muita falta de consciência de todo o mecanismo ligado ao combate da pandemia", Samuel Lopes (Lust in rio)

Tribuna — 2 de outubro

No período em que estive fechada, a Tribuna (Guimarães) assinalou 3 anos de existência, a 7 de novembro de 2020. Noutros tempos, a data seria assinalada com uma festa de arromba e muita dança na pista, mas tal não foi possível (apenas o ano passado). A data de reabertura de bares e discotecas vem a calhar, porque antecede um mês do quarto aniversário da Tribuna. Até lá, há outros motivos para celebrar, como o regresso da animação noturna, que nesta discoteca começa já este sábado, 2 de outubro.

Via Lactea — 2 de outubro

A discoteca Via Lactea, em Vila da Ponte, Sernancelhe, é outra das que está de volta. Para marcar o regresso, a discoteca organizou um "open air de início de outono, a começar a meio da tarde e estender-se pela noite fora", anuncia nas redes sociais. A festa começa às 15h e termina às 04h, com Djs sempre a dar música. A entrada tem de ser feita com certificado digital e uma vez que a Via Lactea impõem lotação máxima, tem de garantir o bilhete aqui.

Lust in rio — 7 de outubro

O regresso é o mais tardio, mas vem bem a tempo. Tem muito para aproveitar até 7 de outubro, mas é certo que quando voltar ao Lust in rio (Lisboa) vai encontrar um espaço e uma forma de viver a noite diferente. "Nova alma, nova cara e novo conceito para novos tempos", é como apresenta a discoteca o que aí vem: a união do Lust Dinner Club by Chakall e do Lust Nightclub.

Durante a pandemia, o Lust in rio reinventou-se e introduziu jantares, transformando o conceito original de discoteca. "Abrimos como restaurante, mas fizemos um investimento avultado para transformar uma esplanada de 1000 metros quadrados em restaurante e, no inverno, em parte interior para combater com os restaurantes e ter algum conforto", revela Samuel Lopes.

No entanto, o investimento de cerca de 400 mil euros com vista à recuperação do negócio, foi dificultado por medidas posteriormente lançadas pelo governo para a restauração. "Foi um rombo estarmos fechados sem trabalhar e quando disseram para nos reinventarmos, cortaram-nos as pernas outra vez. Fomos trabalhando até às 22h30, o que é incomportável", diz. "Acho que houve muita falta de consciência de todo o mecanismo ligado ao combate da pandemia".

Contudo, agora que chega a oportunidade de reabrir — mantendo o conceito original e o novo, com um chef reconhecido no mundo da cozinha — as expetativas são altas. "Acho que a diversão faz falta a qualquer pessoa. As pessoas trabalham, trabalham e depois querem divertir-se. Acho que a retoma vai ser boa", refere, embora reconheça que há dúvidas quando às condições financeiras das pessoas para ir a discotecas. "Não sei se toda a gente vai conseguir retomar, com muita pena minha. Porque quanto mais espaços houver, mais gente sai à rua. Se houver poucas opções, as pessoas acabam por ficar em casa", continua.

Para a reabertura, não há uma festa temática especial, porque o tema é óbvio: o regresso das discotecas, que no caso do Lust in rio começa com comida do chef Chakall e acaba na pista de dança — de quinta-feira a sábado. Para reservar mesa, pode contactar: 936 489 212.

Subscreva a newsletter da MAGG.
Subscrever

As coisas MAGGníficas da vida!

Siga a MAGG nas redes sociais.

Não é o MAGG, é a MAGG.

Siga a MAGG nas redes sociais.

Fale connosco

Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado.