O restaurante do Pestana Porto - A Brasileira esteve fechado durante dois anos devido à pandemia da Covid-19, mas reabriu melhor do que nunca, pelas mãos do chef André Coutinho. A MAGG foi conhecer o novo menu, focado em comida tradicional portuguesa.

A Brasileira abriu há 119 anos. De um café cuspido para o chão ao local de eleição de elites e turistas
A Brasileira abriu há 119 anos. De um café cuspido para o chão ao local de eleição de elites e turistas
Ver artigo

Nas instalações do Pestana Porto — A Brasileira, e com acesso direto ao café centenário homónimo, este restaurante está a ser relançado desde julho deste ano. Hóspede ou não, já pode conhecer as iguarias preparadas pelo chef André Coutinho no horário de pequeno-almoço, de almoço ou de jantar.

O chef, que já havia trabalhado nos hotéis algarvios do Grupo Pestana, optou por implementar um conceito de "fun dining" ao invés de "fine dining". "Não queremos estrelas Michelin", avisou, desde logo, a MAGG, garantindo que para apreciar estes pratos "não é preciso um palato refinado".

Chef André Coutinho
André Coutinho é o chef responsável pelo restaurante do Pestana Porto - A Brasileira. créditos: LinkedIn

Apesar de privilegiar a gastronomia portuguesa, este restaurante fá-lo com twists, tendências e inovações. "Adotar o que é tradicional, por muito que possa chocar", explica-nos o chef, acrescentando que se trata de um restaurante que incentiva à partilha de pratos.

Situado num local de passagem, o restaurante está no coração de uma das ruas mais movimentadas do Porto, a minutos a pé de pontos turísticos como o Teatro Sá da Bandeira, a estação de São Bento ou a Avenida dos Aliados. O restaurante desta unidade hoteleira é simultaneamente a sala de pequenos-almoços.

"Queremos que seja um restaurante de eleição, sem complexos", almeja o cozinheiro. Reconstruído para se assemelhar ao original, ainda com os mármores gastos que há tantos anos ali foram estabelecidos, o restaurante d'A Brasileira é encabeçado pelo dotado chef de cozinha André Coutinho e pelo prestável chef de sala Nuno Magalhães.

Com 18€ pode comer uma sopa, uma entrada, um prato de carne, peixe ou vegetariano e uma sobremesa — sendo que uma bebida e um café também estão incluídos no preço. Se preferir, pode optar por escolher à carta, na qual o prato mais caro custa 23€.

Restaurante do Pestana Porto - A Brasileira
O restaurante do Pestana Porto - A Brasileira está aberto todos os dias em três horários diferentes. créditos: MAGG

A MAGG provou alguns dos novos pratos integrados na ementa, que inclui insólitos como cenouras assadas em borras de café, uma tangerina que não o é propriamente e também uma cabidela vegetariana. Confuso? Nós explicamos, mas pela ordem com que a comida nos foi chegando à mesa.

Além de quatro variedades de pão (baguette francesa, pão de abóbora, pão de azeitona e pão de centeio com sementes), que vão mudando com frequência e que chegam sempre mornas ou quentes, apareceu, logo no início, um hangiri — aquele recipiente fofo onde costumam vir os baos. "Cria uma reação 'uau', porque as pessoas não veem logo o que é", justificou o chef.

Em vez de baos, quando o destapámos, encontrámos umas azeitonas britadas (tão saborosas que todas as outras servidas como entrada em restaurantes passaram a fazer má figura), uma manteiga de leite de cabra, salgada e intensa, e uma maionese de raia desfiada com caviar, quase como uma salada russa inusitada.

Já surpreendidos com o combinado pão + elementos para barrar (3,50€), aguardámos pela chegada das entradas — primeiro uma fria e depois uma quente. Não tardaria a ser pousado um prato de cores vibrantes e sabores frescos composto por uma salada de abóbora assada e couve-flor, amoras, quinoa e vinagrete de framboesa (11€).

"Cada vez mais, as pessoas procuram comida saudável", disse-nos André Coutinho, sobre a integração deste prato na carta do restaurante. A comida de conforto chegou na forma de uns ovos rotos com presunto, pó de azeitona e molho de francesinha (que não podia faltar, não estivéssemos nós no Porto) na base. Custa 13€ e é tão imperativo prová-lo como desfazer o ovo e envolver tudo.

A opção vegetariana consiste numa cabidela de beterraba com laranja, pickles caseiros e crocante de arroz (15€) onde substituem a proteína animal pela vegetal. O sangue da galinha é trocado pelo sumo da beterraba, o que resulta num prato cremoso, avinagrado e ácido.

No prato de peixe brilhou um filete de corvina com xerém de camarão, couve romanesca, salicórnia, espuma feita com vinho e azeite de coentros (23€). O sabor salgado a peixe chega até à nossa boca quase em papa, de tão mole (e sem espinhas) que é. 

Quanto à carne, foi-nos dado a provar o supremo de pintada, puré de abóbora, cenoura da terra e molho gravy (19€), como quem diz galinha com uma apresentação mega diferente. O puré de abóbora era ótimo, a dose (tal como todas as outras) bem servida e a comida familiar. As cenouras, por seu turno, eram assadas com borras de café — e sabiam exatamente a isso.

Para terminar, "A tangerina", um semifrio de tangerina com gelado de morango, bavaroise de maracujá e leite creme de alfazema (9€). À primeira vista, aquilo que vem no prato é uma tangerina inteira, ainda dentro da casca. Porém, um toque com os talheres desvenda um bolo fofo (daqueles que são tão bem feitos que parecem tudo menos bolo).

Depois d'"A tangerina", "O chocolate" em todas as texturas possíveis. Um brownie de chocolate com mousse de chocolate, terra de chocolate, ganache, vinho do Porto e baunilha (7€), como quem diz "o paraíso para os amantes de chocolate". Seguiu-se um café expresso n'A Brasileira, o mítico espaço da Rua Sá da Bandeira.

Restaurante do Pestana Porto - A Brasileira

Localização: Rua Sá da Bandeira, 69, 4000-427, Porto
Contactos: 22 976 6470 / geral@abrasileiraporto.com
Horário: todos os dias das 07h30 às 11h, das 12h30 às 15h e das 19h30 às 23h

As coisas MAGGníficas da vida!

Siga a MAGG nas redes sociais.

Não é o MAGG, é a MAGG.

Siga a MAGG nas redes sociais.

Fale connosco

Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado.