A contagem decrescente para a 65.ª edição do Festival Eurovisão da Canção já começou. As semifinais acontecem a 18 e 20 de maio e a grande final a 22.

Eurovisão 2021. Ao fim de 57 anos, Portugal lá percebeu para que serve um palco
Eurovisão 2021. Ao fim de 57 anos, Portugal lá percebeu para que serve um palco
Ver artigo

Os Países Baixos voltam a ser os anfitriões do certame depois de, em 2020, os planos terem ido por água abaixo devido à pandemia da COVID-19. Portugal concorre na segunda semifinal, com os The Black Mamba a tentarem garantir um lugar na final.

Quer seja fã do certame musical ou apenas um curioso, a MAGG fez o trabalho de casa e apresenta-lhe um resumo de cada uma das 39 músicas a concurso. Prepare-se, ponha o cinto, que isto vai ser como andar numa montanha-russa depois de um after no Kremlin.

Primeira semifinal

1  - Lituânia
The Roop - "Discoteque"

É assim que imagino que vamos todos dançar quando (finalmente) as discotecas e bares reabrirem: com espasmos pós-apocalípticos e como se estivéssemos dentro de um videoclipe dos Talking Heads.

2  - Eslovénia
Ana Skolić - "Amen"

A típica balada épica com mensagem de esperança cantada por uma loira franzina que, assim, à priori, ninguém dá nada por ela, mas depois abre as goelas e sai de lá um vozeirão. Tem coro de gospel, claro.

3  - Rússia
Manizha - "Russian Woman"

Rosie, a Rebitadora, célebre ícone feminista, troca a bandeira dos EUA pela russa e vai com tudo para o palco da Eurovisão. Ainda estamos para perceber como é que um hino ao empoderamento passou pelo crivo de Putin...

4 - Suécia
Tusse - "Voices"

A Suécia é assim uma espécie de mousse Alsa da Eurovisão. Faz-se rápido, à primeira vista parece caseira, mas depois vai-se a comer e sabe tudo a pacote.

5  - Austrália
Montaigne  - "Technicolour"

É a Britney, são os Cranberries? É pop do final dos anos 90 ou é ópera? Montaigne tem uma voz do caraças, mas não temos pedalada para acompanhar tanta mudança de estilo ao longo de três minutos.

6  - Macedónia do Norte
Vasil  - "Here I Stand"

Mais uma balada épica com uma mensagem de superação, acompanhada por uma orquestra de 5498 pessoas e ainda um coro. E ainda nem a meio vamos. Deus me dê paciência.

7 - Irlanda
Lesley Roy  - "Maps"

Estão a ver aquelas músicas que põem a tocar no rádio do carro quando levaram uma tampa há duas semanas mas já acham que estão muito bem e a superar tudo com imenso estilo? É "Maps".

8  - Chipre
Elena Tsagrinou - "El Diablo"

Em 2018, o Chipre trouxe-nos a Lisboa uma Eleni com "Fuego". Três anos depois, levam a Roterdão uma Elena com "El Diablo". I-no-va-dor.

9  - Noruega
Tix - "Fallen Angel"

Das duas, uma: ou isto é a cena mais azeiteira que alguma vez pisou o palco da Eurovisão ou a crítica mais inteligente a todos os exageros cénicos do certame. Não conseguimos decifrar.

10  - Croácia
Albina  - "Tick-Tock"

Podia ser um hino à rede social chinesa, mas é só uma moça muito gira a cantar com a voz muito bem disfarçada com auto tune. Prevemos desafinanço monumental em Roterdão.

11  - Bélgica
Hooverphonic  - "The Wrong Place"

É aquele momento da semifinal para fazer um xixi ou ir à cozinha buscar uma bucha. Ninguém quer ouvir uma música decente com uma atuação discreta. Give me the fireworks!!!!!

12  - Israel
Eden Alene -  "Set Me Free"

Israel é assim uma espécie de McDonald's da Eurovisão. Satisfaz, nunca desilude porque é o que é. Mas se preferíamos um bom bife da vazia, mesmo correndo o risco de vir demasiado passado? Preferíamos.

13  - Roménia
Roxen  - "Amnesia"

'Tou, Roxen? A Billie Eilish ligou e diz que quer isso tudo de volta.

14  - Azerbaijão
Efendi  - "Mata Hari"

O Azerbaijão raramente falha: música orelhuda, umas moças semidespidas e uma daquelas performances com efeitos especiais que hão-de custar os olhos da cara e fazem as outras parecerem uma atuação na rua de Santa Catarina.

15  - Ucrânia
Go_A  - "Шум (Shum)"

"Canto branco" é uma técnica tradicional de canto popular usada na Europa oriental. Depois é só misturar com techno e dá "Shum". Com o que é que se parece? Com aqueles breves segundos em que achámos que Conan Osíris podia ganhar a Eurovisão.

16  - Malta
Destiny Chukunyere  - "Je me casse"

Já perceberam que há alguns países que gostam de apresentar versões de marca própria das estrelas pop do momento, certo? De Malta, à falta de Lizzo, veio a Destiny. É lidar, child!

Segunda semifinal

1 - San Marino
Senhit - "Adrenalina"

San Marino é uma espécie de unicórnio da Eurovisão. Pouco ou nada sabemos desta micro-nação, mas o que é certo é que anda nestas lides eurovisivas desde 2008. E, este ano, com um fator surpresa acrescido: irá o rapper norte-americano Flo Rida atuar ao lado de Senhit? O tabu mantém-se.

2 - Estónia
Uku Suviste - "The Lucky One"

Eurovisão que é Eurovisão tem de ter um bonzão a cantar num inglês paupérrimo sobre o coraçãozinho partido por uma miúda qualquer. Uku vai aparecer no palco da Ahoy Arena no meio de uma tempestade e estamos capazes de apostar uma mini e uma bifana que isto vai meter chuva e camisas molhadas, coladinhas ao corpo.

3 - República Checa
Benny Cristo - "Omaga"

É fresco, é urbano e com potencial para se ouvir na rádio ou no Spotify, meses depois de passar o frenesim eurovisivo. Isto tudo vindo de um país onde nasceu malta animada e folgazona como Franz Kafka, Milan Kundera e Antonín Dvořák. Dá que pensar.

4 - Grécia
Stefania - "Last Dance"

Há um subgénero que só vê a luz do dia durante a época eurovisiva. Chamemos-lhe eurotrashdance music. É feita com recurso a um produtor que faz música a peso (até pode fazer hits para o Justin Bieber, mas pagaram-lhe pouco e saiu "Last Dance")  e soa mais ou menos à música de fundo que toca na Stradivarius ou na Primark.

5 - Áustria
Vincent Bueno - "Amen"

Há um "Amen" em cada semifinal da Eurovisão 2021 e começamos a desconfiar que isto não é patrocinado pela Moroccanoil, mas sim pelo Vaticano. #teoriadaconspiração #illuminati

6 - Polónia
Rafał - "The Ride"

Nem os sintetizadores à la pop anos 80 nos fazem desviar os olhos do quão azeiteiro é o Rafal e a sua trupe de bailarinos. Menos. Muito menos.

7 - Moldávia
Natalia Gordienko - "Sugar"

Palavra de honra que eu acho que, a leste, deve haver fábricas que produzem estas Barbies supersónicas que fazem tudo bem: são top models, cantam que se fartam e dançam razoavelmente bem. Que nervos. Ah, a música? É fraquita.

8 - Islândia
Daði & Gagnamagnið - "10 Years"

É assim que, nos meus sonhos, imagino todos os islandeses. Uma grande família de nerds-hipsters, vestidos com pijamas iguais e com meios sorrisos indecifráveis. Fora de brincadeiras. A Islândia era favorita em 2020 e mantém esse estatuto este ano. PS: preciso desta coreografia na minha vida.

9 - Sérvia
Hurricane -  "Loco Loco"

Eurovisão que se preze tem de ter: 1) pelo menos uma girlsband 2) ritmos latinos 3) palavras em castelhano metidas a martelo 4) uma máquina de vento para fazer esvoaçar cabelo. A Sérvia meteu tudo na Bimby e saíram as Hurricane.

10 - Geórgia
Tornike - "Kipiani You"

Aquele momento da segunda semifinal para um xixi, um post nas redes sociais ou para meter a loiça na máquina.

11 - Albânia
Anxhela Peristeri - "Karma"

Um dos aspectos mais apaixonantes da Eurovisão é podermos apreciar línguas que não ouvimos habitualmente. E o albanês, como se pode comprovar nesta canção, é de facto uma língua exótica e bonita. #momentocultural

12 - Portugal
The Black Mamba - "Love is On My Side"

PORTUGAL, PORTUGAL!!! Olé, olé, olé, olé, ooooooolé! E quem não salta, não é Tatanka! E salta Tatanka, e salta Tatanka, olé olé!

13 - Bulgária
Victoria - "Growing Up Is Getting Old"

Em português, esta música significa "Crescer é Envelhecer". Quem canta é a Victoria, mas bem podia ser a nossa conterrânea Lili Caneças, célebre autora de outro êxito da música pop, "Being Alive is the Opposite of Being Dead".

14 - Finlândia
Blind Channel - "Dark Side"

"É a versão finlandesa dos Linkin Park" é o mais simpático que podemos dizer deste punk rock genérico. Quer dizer, um dos vocalistas dá assim uns ares de Ville Valo, o vocalista da saudosa banda finlandesa HIM [inserir emoji apaixonado].

15 - Letónia
Samanta Tina - "The Moon Is Rising"

Adoramos a coreografia, que não é nada copiada do videoclipe "Run the World (Girls)" da Beyoncé. Mas pronto, a Samanta diz que é rainha, que faz a suas próprias regras e tal, e a malta respeita. Porque empoderamento e tal.

16 - Suíça
Gjon's Tears -  "Tout l'Univers"

Suíça, país-berço do Festival Eurovisão da Canção, volta a apostar no idioma francês, depois de nove anos de canções em inglês. E bem. "Tout l'Univers" é elegante, poderosa e eficaz. Como um relógio suíço (vá lá, a piada estava a implorar para ser feita).

17 - Dinamarca
Fyr & Flamme - "Øve os på hinanden"

E, por falar em regresso às origens, a Dinamarca quebra a tradição de duas décadas a cantar em inglês, e aposta numa canção na língua de Hans Christian Andersen. "Øve os på hinanden" é uma matrioska eurovisiva, cheia de referências sonoras e visuais aos êxitos da década de 80.

Final (países com acesso direto)

França
Barbara Pravi - "Voilà"

Édith Piaf reencarnou em Barbara Pravi não só para cantar, mas também para dizer ao mundo eurovisivo: "O caneco é nosso. Vemo-nos para o ano em Paris, putains!"

Alemanha
Jendrik - "I Don't Feel Hate"

Eurovisão que se preze tem de ter uma atuação que ninguém realmente percebe, assim um misto de "isto parece giro, mas não sei" e "vou por isto como toque do telemóvel".

Itália
Måneskin - "Zitti E Buoni"

Desde 2017, ano em que Francesco Gabbani apresentou ao mundo a obra prima "Occidentali's Karma", que Itália se tornou demasiado boa para a Eurovisão. Este ano não é exceção. Não somos dignos de Måneskin. Não somos.

Espanha
Blas Cantó - "Voy A Quedarme"

Espanha venceu a Eurovisão dois anos seguidos (1968 e 1969) e pensou: "Pues que está muy bien, no queremos más eurovisiones en Madrid". E se assim o pensaram, melhor o fizeram. Tanto é que a última vez que estiveram no top cinco foi em 1991. E este ano não vai ser diferente.

Países Baixos
Jeangu Macrooy - "Birth Of A New Age"

Por norma, o país anfitrião não quer fazer má figura mas tenta sempre arranjar assim uma coisa que não comprometa mas que também não se arrisque a ganhar. É que isto de organizar a Eurovisão fica para cima de uma fortuna.

Reino Unido
James Newman - "Embers"

Aposto 50 paus como esta música vai parar a um anúncio de uma marca super jovem e dinâmica, tipo operadora de telecomunicações ou campanha de reversão do Brexit.

Subscreva a newsletter da MAGG.
Subscrever

As coisas MAGGníficas da vida!

Siga a MAGG nas redes sociais.

Não é o MAGG, é a MAGG.

Siga a MAGG nas redes sociais.

Fale connosco

Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado.