Para cada grande produção como “A Guerra dos Tronos”, há cinco ou mais séries que passam despercebidas e que não são conhecidas ao ponto de se tornarem assunto de conversa em jantares de amigos. “The Americans”, terminado em 2018 e considerado pela crítica como um dos melhores (e mais desconhecidos) títulos dos últimos anos, é só um exemplo.

Todas as semanas, a MAGG traz-lhe uma sugestão imperdível na rubrica "A série que ninguém está a ver". O objetivo, claro, é dar a conhecer algumas das produções com menos visibilidade, mas que merecem tanto ou mais elogios como outras bem mais populares. E antes que tenha tempo de achar a ideia estranha, lembre-se que embora "The Wire" hoje seja considerada uma das séries de culto, nunca recebeu os prémios merecidos nem surpreendeu em termos de audiências durante o tempo em que esteve em emissão.

A sugestão desta semana é "Giri/Haji", uma série filmada no Reino Unido e no Japão que provavelmente lhe passou ao lado desde que chegou à Netflix — no início de 2020.

Aqui há gangsters japoneses, polícias britânicos e uma guerra sangrenta que envolve dois países com culturas muito diferentes uma da outra. A história arranca com o protagonista, um detetive japonês, a viajar para Londres depois de saber que o irmão que julgava estar morto está a ser acusado de matar um poderoso membro da Yakuza, a máfia japonesa.

E embora o crime seja cometido em Londres, o acontecimento ameaça desencadear um confronto sem precedentes em Tóquio à medida que a organização criminosa aponta o dedo a todas as fações rivais que, cada uma à sua maneira, têm bons motivos para planear um ataque daqueles. A história, no entanto, começa com uma premissa não muito diferente daquelas a que estamos habituados a ver em séries do estilo.

A diferença, claro, está na qualidade da escrita, na profundidade das personagens e no percurso que cada uma tem de fazer à medida que se vê a braços com um dilema ético e moral.

A série que ninguém está a ver (mas devia). "Kalifat" é tão intensa como "Segurança Nacional" e "24"
A série que ninguém está a ver (mas devia). "Kalifat" é tão intensa como "Segurança Nacional" e "24"
Ver artigo

É que quando confrontado com a ideia de que o seu irmão está, afinal, vivo, o detetive é obrigado de imediato a aceitar uma realidade que mói: que este pode estar envolvido num esquema de corrupção violento que o levou a misturar-se com criminosos altamente organizados e complexos, violando todo o quadro de hora e de honestidade que o irmão jurou cumprir.

Pelo meio, o impacto do conflito sente-se nas dinâmicas familiares, na estrutura da investigação e na forma como os dois irmãos se olham um o ao outro à medida que vão descobrindo os seus segredos mais obscuros — inclusive aquele que os fez cortar laços de sangue.

"Giri/Haji" é uma série que começa como um simples thriller, mas que, mais para o final, se transforma em algo muito mais artístico, diferente e, ao mesmo tempo, original — tornando-se num caso de estudo de como escrever personagens complexas, interessantes e dinâmicas.

A primeira temporada está inteiramente disponível na Netflix.

Newsletter

A MAGG é uma revista digital pensada para mulheres e focada nas preocupações centrais da vida de cada uma. Falamos de tudo o que está a acontecer de forma descontraída mas rigorosa.
Subscrever

Notificações

A MAGG é uma revista digital pensada para mulheres e focada nas preocupações centrais da vida de cada uma. Falamos de tudo o que está a acontecer de forma descontraída mas rigorosa.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.

Fale connosco

Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado.