Sem grandes possibilidades de sair durante este fim de semana de confinamento, à qual se acresce ainda a proibição de circulação livre entre concelhos, não há melhor lugar para se estar do que o sofá, com o comando da televisão na mão e na companhia de um filme intenso e divertido. Para sua sorte, o catálogo da Netflix oferece uma diversidade enorme e a MAGG foi vasculhá-lo para que a sua única preocupação seja decidir que filme começa primeiro.

Um das nossas sugestões é "Diamante Bruto”, um exclusivo da Netflix que conta também uma grande prestação de Adam Sandler (esse mesmo), no drama. Quando o ator foi anunciado para o papel, os entusiastas de cinema deitaram as mãos à cabeça num gesto que misturava preconceito, preocupação e incompreensão. Como é que um ator associado a comédias românticas (ou outras que são só parvas) seria capaz de dar corpo a uma personagem dramática num filme intenso, duro e fora da sua zona de conforto?

Netflix divulga as 10 séries mais vistas em 2020. Uma delas estreou em 2003
Netflix divulga as 10 séries mais vistas em 2020. Uma delas estreou em 2003
Ver artigo

A dúvida era legítima: afinal, Sandler pautou grande parte da sua carreira por comédias de pouco relevo comercial e recebidas com pouco entusiasmo pela crítica. No entanto, o ator surpreendeu.

Em "Diamante Bruto", Adam Sandler dá vida a Howard Ratner, um vigarista, viciado no jogo e gerente de uma joalharia em Nova Iorque, nos Estados Unidos, que se vê a braços com o dilema de não conseguir fazer dinheiro suficiente para pagar todas as dívidas que tem em seu nome. Enquanto isso, as contas vão-se amontoado, a sua vida pessoal vai ficando cada vez mais descuidada e os credores prometem fazer tudo o que for necessário para recuperar o dinheiro que lhes é devido.

A prestação surpreendeu e o filme foi considerado um dos melhores de 2019 não só pela sua prestação, mas também pela estética e ritmo frenético do filme — que nunca tira o pé do acelerador desde que começa. Mas não é o único.

Sugerimos ainda "Os 7 de Chicago" sobre os protestos violentos durante a Convenção Nacional do Partido Democrata nos EUA, em 1968. O filme dá corpo à transição vertiginosa de protestos pacíficos que, mais tarde, desencadearam os conflitos que deixaram feridos mais de 500 manifestantes, 100 civis e 152 agentes da polícia. Mas o grande foco é o julgamento dos sete rapazes de Chicago, todos eles ativistas, que foram acusados formalmente de conspiração e de incitação à violência.

Mostramos-lhe 11 grandes filmes na Netflix (que talvez não conheça) e que são perfeitos para ver neste fim de semana de confinamento.

Subscreva a newsletter da MAGG.
Subscrever

As coisas MAGGníficas da vida!

Siga a MAGG nas redes sociais.

Não é o MAGG, é a MAGG.

Siga a MAGG nas redes sociais.

Fale connosco

Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado.