Esta é a história de como uma mensagem de Facebook mudou a vida de meia centena de pessoas. É também a história de um médico que, sob o pretexto de ajudar mulheres que não conseguiam ter filhos, as envolveu num esquema sádico e perverso. "Our Father", que chega à Netflix a 11 de maio, conta a história de Donald Cline, médico especialista em tratamentos de infertilidade que usou o próprio esperma para engravidar pelo menos 50 pacientes sem o conhecimento das mesmas.

Heather Woock é, digamos assim, a paciente zero desta história, cujos contornos são assustadores. Foi a primeira pessoa a receber uma mensagem no Facebook de alguém que se dizia ser seu meio irmão. Depois, surgiram mais mensagens. Tudo isto aconteceu graças a testes de ADN, cujos resultados foram introduzidos na plataforma Ancestry.com que, depois, cruzou os dados. Resultado? Apenas no estado do Indiana, Estados Unidos, meia centena de pessoas descobriram que não só tinham laços de sangue, como o mesmo pai.

O documentário, baseado numa reportagem lançada em 2019 pelo The Atlantic, revela a história de Donald Cline. Atualmente com 84 anos, o médico, profundamente religioso e muito respeitado pela comunidade local, começou a trabalhar na área da infertilidade em 1979, numa altura em que os tratamentos estavam a começar e não havia bancos de dadores de esperma. Os médicos que realizavam fertilização in vitro tinham de procurar dadores, geralmente médicos estagiários.

Devido à criação de bancos de esperma e também ao surgimento do HIV, Cline deixou de usar o próprio esperma em pacientes em meados dos anos 80. Mas, ao longo do período em que o fez, terá engravidado pelo menos 50 mulheres. Senão mais. 

Já vimos o novo documentário sobre Marilyn Manson. Agora, estamos tão enojados quanto assustados
Já vimos o novo documentário sobre Marilyn Manson. Agora, estamos tão enojados quanto assustados
Ver artigo

Donald Cline, que admitiu finalmente ter usado o seu esperma em tratamentos cerca de 50 vezes, foi processado e levado a tribunal em 2017 por vários dos seus filhos biológicos, mas foi ilibado de todas as acusações. Porque — e esta é a parte mais espantosa — nenhuma lei estatal norte-americana proíbe especificamente um médico de usar o próprio esperma em pacientes. Recebeu apenas uma multa de 500 dólares (459€) e um ano de pena suspensa por obstrução à justiça. Perdeu a licença de médico mas, quando a sentença saiu, já estava aposentado desde 2009.

Veja o trailer

"Our Father" chega à Netflix a 11 de maio e é produzido por Jason Blum, responsável pelo documentário "The Jinx: The Life and Deaths of Robert Durst", sobre a vida do multimilionário norte-americano condenado a prisão perpétua pelo desaparecimento da mulher e ainda dois homicídios.

Subscreva a newsletter da MAGG.
Subscrever

As coisas MAGGníficas da vida!

Siga a MAGG nas redes sociais.

Não é o MAGG, é a MAGG.

Siga a MAGG nas redes sociais.

Fale connosco

Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado.