Abra a agenda, pegue no telemóvel e comece a desmarcar tudo aquilo que tem anotado para o próximo dia 27 de março. Porquê? É simples. Estamos oficialmente em contagem decrescente para a 94.ª cerimónia dos Óscares e o evento volta a surpreender os fãs com aquela que será uma gala marcada pelo regresso às origens e à dinâmica original da festa.

O anfitrião do talk show da ABC "Jimmy Kimmel Live!" tem a cargo a missão de restaurar o papel de mestre de cerimónias da emissão televisionada, depois de esta ter abdicado da figura nos últimos três anos. Isto, claro, numa celebração pautada por glamour, escolhas difíceis e excelentes produções cinematográficas.

Óscares 2022. "The Power of the Dog" lidera a corrida com 12 nomeações
Óscares 2022. "The Power of the Dog" lidera a corrida com 12 nomeações
Ver artigo

A lista dos nomeados para os Óscares 2022 já foi divulgada. E, sem sem surpresas, é extensa. Mas, calma, respire fundo, porque ainda tem tempo para tirar as suas próprias conclusões antes do veredicto da Academia de Artes e Ciências Cinematográficas, que chega a 27 de março.

E o melhor? Já pode começar a riscar filmes da lista, sem sair de casa, já que há pelo menos oito conteúdos nomeados disponíveis nas principais plataformas de streaming. Eis todos os filmes nomeados que pode ver, sem precisar de deslocar a qualquer sala de cinema do País.

"Don't Look Up" (Netflix)

Categoria: Melhor Filme, Melhor Argumento Original, Melhor Banda Sonora Original, Melhor Edição de Vídeo

É realizado por Adam McKay (de "A Queda de Wall Street") e conta a história de dois astrónomos, (Leonardo DiCaprio e Jennifer Lawrence) que tentam avisar o mundo de que um asteroide está em rota de colisão com a Terra. Problema? Ora ninguém acredita neles, ora as principais forças dos Estados Unidos decidem fechar os olhos à tragédia iminente. Afinal de contas, o risco de extinção da humanidade não fica nada bem historial imaculado da Presidente dos Estados Unidos (Meryl Streep) e a reputação destes dois astrónomos está em declínio há vários anos.

A questão que se coloca é: em contagem decrescente para o fim do mundo, é melhor enfrentar o problema ou ignorar a tragédia? Entre o fim do mundo, o registo ácido da presidente e aparições de artistas internacionais como Ariana Grande, "Don't Look Up" é o segundo filme mais visto de sempre da Netflix e, apesar da crítica, entre outras nomeações, está na corrida para a categoria de Melhor Filme, na 94.ª cerimónia dos Óscares.

"Tick, Tick… Boom!" (Netflix)

Categoria: Melhor Ator, Melhor Edição de Vídeo

Não é preciso ser um fã incondicional de teatro musical para conhecer o musical "Rent". Ou, pelo menos, para saber a letra da canção "Seasons of Love", que chegou a inspirar um outro tema (cómico) na série "The Office".

Mas o que é certo é que "Rent" marcou a história da Broadway e levou o nome do criador Jonathan Larson à crítica internacional. O compositor faleceu antes mesmo de ver sua grande obra nos palcos da Broadway, mas antes disso, escreveu "Tick, Tick... Boom!", uma peça autobiográfica sobre os dilemas de ser artista, que explora a luta contra o tempo deste artista, que viveu em prol do reconhecimento alheio e só o alcançou depois de morrer.

Com Andrew Garfield, Alexandra Shipp e Vanessa Hudgens, "Tick, Tick… Boom!" já está disponível na Netflix.

"The Tragedy of Macbeth" (Apple TV+)

Categoria: Melhor Ator, Melhor Fotografia, Melhor Cenografia

Será que este é o ano em que Denzel Washington arrecada o terceiro Óscar? Das especulações para a lista de nomeados, o que é certo é que as análises dos críticos da indústria de Hollywood já previam que a sua interpretação de Macbeth, em "A Tragédia de Macbeth", lhe valesse mais uma nomeação na categoria de melhor ator. E é caso para dizer: bem dito, bem certo.

Trata-se de um filme que segue meticulosamente, de forma tão rigorosa quanto ousada, o texto de William Shakespeare, cuja estreia ocorreu em 1606. Agora, mais de quatro séculos depois, chega à Apple TV+ num registo moderno, dirigido pelo realizador Joel Coen, sem descartar as palavras escritas pelo autor original.

Através da composição de Denzel Washington, a personagem de Macbeth regressa como símbolo, universal e intemporal, de uma descontrolada sede de poder: que culmina na ocupação abusiva do trono da Escócia e envolve convulsões que podiam pertencer a um qualquer thriller moderno. Isto, claro, enquanto oscila entre o delírio paranoico e o apocalipse trágico que o título do filme sublinha. Nomeado para três categorias distintas, já está disponível na plataforma de streaming.

"Being the Ricardos" (Amazon Prime Video)

Categoria: Melhor Ator, Melhor Atriz, Melhor Ator Secundário

Escrito e realizado por Aaron Sorkin ("Os Sete de Chicago"), "Being The Ricardos" é um filme biográfico que se centra numa das semanas mais críticas da produção de uma das maiores sitcoms dos EUA, "I Love Lucy". Com destaque para o casal real Lucille Ball e Desi Arnaz, o filme original da Amazon não é um bilhete para uma sequela do produto original, mas um passe de acesso exclusivo ao processo de criação.

Enquanto espectador, será convidado a explorar a sala dos escritores, o palco e até a relação do casal. E, para isso, nem vai precisar de um bilhete de cinema, já que já está disponível na Amazon Prime.

"Encanto" (Disney+)

Categoria: Melhor Filme de Animação, Melhor Canção Original, Melhor Banda Sonora Original

"Encanto" retrata a família Madrigal e a sua casa mágica nas montanhas da Colômbia, com doze personagens principais que compõem várias gerações da família. A história é apresentada em grande parte pelos olhos da adolescente Mirabel e inspirada no realismo mágico dos escritores sul-americanos Gabriel García Márquez e Isabel Allende, mas o novo filme de animação da Disney desvia-se deliberadamente dos filmes centrados num herói ou uma heroína.

"Sabíamos que queríamos contar uma história com uma família alargada", explicou o corealizador Jared Bush, avança o jornal "Público". "Encontramos estes arquétipos nas nossas próprias famílias — a ovelha negra, a criança de ouro, a responsável, a mãe que cura tudo com comida, todas estas coisas eram muito relacionáveis e universais". Nomeado para três categorias distintas nos Óscares, já está disponível na Disney+.

"CODA - No Ritmo do Coração" (Apple TV+)

Categoria: Melhor Filme, Melhor Ator Secundário, Melhor Argumento Adaptado

A história não roça o inovador, mas prima pela simplicidade. “No Ritmo do Coração (CODA)” convida-nos a acompanhar a vida de uma adolescente que se divide entre as obrigações familiares e a vontade de assumir o controlo da própria vida e apostar naqueles que considera ser o seu maior sonho.

Ruby (Emilia Jones) mora nos Estados Unidos e, tal como o nome do título da produção indica, é uma CODA – Children of Deaf Adults (que, em português, significa “filha de pais surdos”). Ainda que esteja no auge da adolescência, com todos os dramas e hormonas que a fase implica, vive e trabalha em prol do bem-estar da família, até que se vê obrigada a tomar uma decisão que pode alterar para sempre o rumo da história: priorizar a própria vida ou a de terceiros. Já disponível na Apple TV+.

"Cruella" (Disney+)

Categoria: Melhor guarda-roupa, melhor caracterização

Sim, é a mesma Cruella dos filmes dos "101 Dálmatas", que marcaram gerações, mas numa interpretação moderna, protagonizada por Emma Stone.

As roupas extravagantes e o emblemático cabelo de duas cores já lhe valeram duas nomeações – para melhor guarda-roupa e melhor caracterização – mas a produção original da Disney+ prima pela história. E pela forma como espelha um outro daquela que é uma das maiores vilãs da sua história cinematográfica.

Tudo isto com cães fofinhos à mistura, já disponível na plataforma de streaming.

"O Poder do Cão" (Netflix)

Categoria: Melhor Filme, Melhor Realização, Melhor Ator, Melhor Ator Secundário (com duas nomeações), Melhor Atriz Secundária, Melhor Argumento Adaptado, Melhor Fotografia, Melhor Banda Sonora Original, Melhor Som, Melhor Cenografia, Melhor Edição de Vídeo

Está em último na nossa lista de sugestões, chama-se "O Poder do Cão", da realizadora neozelandesa Jane Campion, mas lidera as nomeações dos Óscares, presente em 12 categorias, tal como anunciou a Academia de Artes e Ciências Cinematográficas dos Estados Unidos. Protagonizado por Benedict Cumberbatch, Kirsten Dunst, Jesse Plemons e Kodi Smit-McPhee, é uma adaptação da novela com o mesmo nome, publicada em 1967 por Thomas Savage, que mostra uma guerra de poder e intimidação num rancho do Montana em 1925.

No centro da trama está o personagem interpretado por Benedict Cumberbatch, o rancheiro autoritário Phil Burbank, naquela que é uma história que explora masculinidade tóxica e a homossexualidade num meio rural e conservador. Tudo isto com desenvolvimentos surpreendentes até ao fim. Para ver na Netflix.

As coisas MAGGníficas da vida!

Siga a MAGG nas redes sociais.

Não é o MAGG, é a MAGG.

Siga a MAGG nas redes sociais.

Fale connosco

Se encontrou algum erro ou incorreção no artigo, alerte-nos. Muito obrigado.